Imagens 3D


Imagens 3D são imagens de duas dimensões elaboradas de forma a proporcionarem a ilusão de terem três dimensões.[1]

Qualquer representação gráfica de um objeto apresenta-se com duas dimensões – 2D (altura e largura), mas com o auxílio de óculos especiais que transmitem uma imagem diferente para cada olho, assim alterando o ângulo de cada um deles e fazendo com que o cérebro crie a ilusão de profundidade, ou com o auxílio da computação gráfica entre outros recursos, pode-se fazer com que a figura dê a impressão de apresentar, também, profundidade, o que dá maior semelhança com o objeto representado.[2]
[editar]
Modelagem tridimensional
Ver artigo principal: Modelagem tridimensional
 
Imagem renderizada de uma edificacão, obtida de uma modelagem tridimensional.

A modelagem é basicamente a formação de objetos, personagens, cenários, através de um programa especializado com ferramentas avançadas e direcionadas para este tipo de atividade e profissão. Os exemplos de programas mais utilizados: 3ds Max, Maya, ZBrush, entre outros. Já em ambientes software livre usa-se o Blender comparável aos softwares proprietários. O Google SketchUp, também é bastante utilizado e oferece uma opção gratuita com menos funcionalidades que a profissional.

A modelagem em 3 dimensões conta com uma enorme variedade de ferramentas genéricas, permitindo uma comunicação mais fácil entre dois programas diferentes e usuários iguais, são as mais conhecidas: técnica por polígonos, técnica por vértices e técnica por bordas (ou arestas). Todas elas são realizadas através da criação de uma malha complexa de segmentos que dão forma ao objeto 3D.

Telefone


O telefone é um dos dispositivos de telecomunicações desenhados para transmitir sons por meio de sinais elétricos nas vias telefônicas.

É definido como um aparelho eletroacústico que permite a transformação, no ponto transmissor, de energia acústica em energia elétrica e, no ponto receptor, teremos a transformação da energia elétrica em acústica, permitindo desta forma a troca de informações (falada e ouvida) entre dois ou mais assinantes. É lógico que, para haver êxito nessa comunicação, os aparelhos necessitam estar ligados a vários equipamentos, que formam uma central telefônica.Índice  [esconder]
1 História
2 No Brasil
3 Em Portugal
4 Tipos
5 Tecnologia
6 Referências
7 Ver também
8 Ligações externas

[editar]
História

Há muita controvérsia sobre a invenção do telefone, que geralmente tem sido atribuída a Alexander Graham Bell.

Entretanto, como reconheceu o Congresso dos Estados Unidos através da resolução 269, de 15 de junho de 2002, o aparelho foi inventado por volta de 1860 pelo italiano Antonio Meucci, que o chamou “telégrafo falante”..[1] A primeira demonstração pública da invenção de Meucci teve lugar em 1860, e teve sua descrição publicada num jornal de língua italiana de Nova Iorque. Meucci criou o telefone com a necessidade de comunicar-se com sua esposa, que era doente e por isso ficava de cama no seu quarto no andar superior. O laboratório de Meucci ficava no térreo, assim ele não tinha condições para cuidar da esposa e trabalhar ao mesmo tempo; assim sendo, ele inventou o telefone, a fim de que se sua esposa precisasse dele não tivesse que gritar ou sair de sua casa.
[editar]
No Brasil

No Brasil os primeiros telefones foram instalados no Rio de Janeiro. Em 1883 a cidade contava com 5 centrais telefônicas, cada uma com capacidade para 1000 linhas, e também funcionava a primeira linha interurbana, ligando o Rio a Petrópolis.

Campinas foi a terceira cidade do mundo a ter uma linha telefônica (logo após Chicago e o Rio de Janeiro).

No Rio Grande do Sul o serviço telefônico foi instalado em 1885, em Pelotas, com a União Telefônica.

A primeira empresa brasileira foi a Brazilian Telephone Co., que depois de passar por diversos proprietários, foi incorporada, em junho de 1889, à Brasilianische Elektrizitäts Gesellschaft, com sede em Berlim, que ganhou uma concessão de 30 anos.

Em 1906, um incêndio destruiu a central telefônica na Praça Tiradentes (Rio de Janeiro), deixando a cidade sem telefone por 7 meses. Os primeiros telefones eram conectados a uma central manual, operada por uma telefonista. O Usuário tinha que girar uma manivela para gerar a “corrente de toque” e chamar a telefonista que atendia e, através da solicitação do usuário, comutava os pontos manualmente através das “pegas”. Assim um assinante era conectado ao outro. Com o surgimento das centrais automáticas os telefones passaram a ser providos de “discos” para envio da sinalização. Estes discos geravam a sinalização decádica, que consiste de uma série de pulsos (de 1 a 10). Esta tecnologia prevaleceu até o final da década de 1960 quando começaram a surgir os telefones com teclado eletrônico. Os telefones com teclado facilitavam a “discagem”, pois demorava menos para teclar um número. Foram desenvolvidos teclados que enviavam os pulsos de sinalização decádica conforme a tecla acionada (carregada). Posteriormente com o advento da sinalização DTMF o envio de sinalização ficou ainda mais rápido.

Atualmente vem crescendo o uso da telefonia pela internet, usando VoIP (Voz sobre IP, do inglês Voice over IP) e Voz sobre Frame Relay. Há muitos programas que usam esta tecnologia, entre os quais pode-se destacar o Skype, que tem sido muito bem sucedido na missão de usar a internet como meio de transmissão de voz. Com a disseminação da telefonia pela internet começaram a ser fabricados os ATAs – Adaptadores para telefones analógicos, dispositivos que permitem a conexão de um telefone convencional à internet.
[editar]
Em Portugal

Em Portugal as primeiras experiências de telefone iniciaram-se em 24 de Novembro de 1877, ligando Carcavelos à Central do Cabo em Lisboa.

A primeira rede telefônica pública foi inaugurada em Lisboa a 26 de Abril de 1882 pela Edison Gower Bell Telephone Company of Europe Ltd que tinha a concessão atribuída desde 13 de Janeiro de 1882. A concessão foi transferida para a The Anglo Portuguese Telephone Company (APT) em 1887 que a manteve até 1968.

O primeiro serviço de telefone automático foi inaugurado em Portugal em 1930 e em 25 de Setembro de 1937 a APT inaugurou a primeira estação automática na Estrela em Lisboa. Nesse ano a rede da APT tinha 48 000 assinantes.
[editar]
Tipos
 
Telefone sem fio DECT.

Há categorias distintas de aparelhos telefônicos, dependendo da tecnologia utilizada.
O telefone analógico transporta apenas transmissões de voz e frequências de sinalização.
O telefone sem fio utiliza radiofrequências de curto alcance para transmissão da voz para uma base que faz a conversão para o meio analógico ou digital.
O telefone digital acrescenta uma camada para a transmissão de dados que permite o tráfego de informações sobre a ligação em curso ou enviar informações para interagir com um Pabx, por exemplo.
O telefone “voip” utiliza o protocolo TCP/IP e conexões da Internet para transmissão e recepção de voz e dados digitalizados (transformados em pacotes de dados). Telefones analógicos também podem utilizar a tecnologia Voip, desde que o Pabx a que estão conectados tenha gateways (conversores voz/ip) apropriados.
O telefone celular ou telemóvel
O telefone público
[editar]
Tecnologia
 
Poço de visita para telefone.

Os primeiros telefones eram conectados a uma central manual, operada por uma telefonista. O Usuário tinha que girar uma manivela para gerar a “corrente de toque” e chamar a telefonista que atendia e, através da solicitação do usuário, comutava os pontos manualmente através das “pegas”. Assim um assinante era conectado ao outro. Com o surgimento das centrais automáticas os telefones passaram a ser providos de “discos” para envio da sinalização. Estes discos geravam a sinalização decádica, que consiste de uma série de pulsos (de 1 a 10). Esta tecnologia prevaleceu até o final da década de 1960 quando começaram a surgir os telefones com teclado eletrônico. Os telefones com teclado facilitavam a “discagem”, pois demorava menos para teclar um número. Foram desenvolvidos teclados que enviavam os pulsos de sinalização decádica conforme a tecla deprimida (carregada). Posteriormente com o advento da sinalização DTMF o envio de sinalização ficou ainda mais rápido.

Atualmente vem crescendo o uso da telefonia pela internet, usando VoIP (Voz sobre IP, do inglês Voice over IP) e Voz sobre Frame Relay. Há muitos programas que usam esta tecnologia, entre os quais pode-se destacar o Skype, que tem sido muito bem sucedido na missão de usar a internet como meio de transmissão de voz. Com a disseminação da telefonia pela internet começaram a ser fabricados os ATAs – Adaptadores para telefones analógicos, dispositivos que permitem a conexão de um telefone convencional à internet. O telefone foi evoluindo com o passar das décadas e hoje temos até mesmo os telefones sem fio.

RELÓGIO


História

 Entre os primeiros relógios, ou horológios em português mais antigo,[1][2]que se tem conhecimento são os relógios de sol, provavelmente os gnômons[carece de fontes]. A história registra que apareceu na Judeia, mais ou menos em 600 a.C., com os relógios de água (clepsidras) e os relógios de areia (ampulhetas). O arcebispo de Verona chamado Pacífico, em 850 de nossa era, construiu o primeiro relógio mecânico baseado em engrenagens e pesos. Em 797 (ou 801), o califa de Bagdá, Harun al-Rashid, presenteou Carlos Magno com um elefante asiático chamado Abul-Abbas, junto com um relógio mecânico de onde saía um pássaro que anunciava as horas. Isso indica que os primeiros relógios mecânicos provavelmente foram inventados pelos asiáticos. Contudo, embora exista controvérsia sobre a construção do primeiro relógio mecânico, o papa Silvestre II é considerado seu inventor.

Outros grandes construtores e aperfeiçoadores de relógios foram Ricardo de Walinfard (1344), Santigo de Dondis (1344), seu filho João de Dondis que ficou conhecido como “Horologius”, e Henrique de Vick (1370).

Por volta de 1500, Pedro Henlein, na cidade de Nuremberg, fabrica o primeiro relógio de bolso.

Até que, em 1595, Galileu Galilei descobre a Lei do Pêndulo. Com os relógios mecânicos surge uma grande variedade de técnicas de registro da passagem do tempo. Os relógios deste tipo podem ser de pêndulo, de quartzo ou cronómetros.

Os mais precisos são os atómicos.

Os primeiros relógios utilizados foram os relógios de bolso. Eram muito raros e tidos como verdadeiras joias, pois poucos tinham um. Os relógios de bolso eram símbolo da alta aristocracia.

Comenta-se que foi Santos Dumont quem inventou os relógios de pulso. A amizade de Santos Dumont com Louis Cartier vinha do fim do século XIX. Uma noite, Alberto lhe disse que não tinha como ler a hora em pleno vôo em seu relógio de bolso; com o auxílio do mestre relojoeiro Edmond Jaeger, Cartier apresentou uma solução para Santos Dumont, um protótipo do relógio de pulso, em 1904, o qual permitia ver as horas mantendo as mãos nos comandos.

TUDO soBre O noSso mUNdo

QUEM inventou o Avião


Alberto Santos Dumont (Palmira, 20 de julho de 1873 — Guarujá, 23 de julho de 1932) foi um aeronauta, esportista e inventor brasileiro. Dumont é considerado por muitos brasileiros como o inventor do dirigível, do avião e do ultraleve.

Santos Dumont projetou, construiu e voou os primeiros balões dirigíveis com motor a gasolina. Esse mérito lhe é garantido internacionalmente pela conquista do Prêmio Deutsch em 1901, quando em um voo contornou a Torre Eiffel com o seu dirigível Nº 6, transformando-se em uma das pessoas mais famosas do mundo durante o século XX.[1] Com a vitória no Prêmio Deutsch, ele também foi, portanto, o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e populares.

Santos Dumont também foi o primeiro a decolar a bordo de um avião impulsionado por um motor a gasolina. Em 23 de outubro de 1906, ele voou cerca de 60 metros a uma altura de dois a três metros com o Oiseau de Proie’ (francês para “ave de rapina”), no Campo de Bagatelle, em Paris. Menos de um mês depois, em 12 de novembro, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros com o Oiseau de Proie III. Esses voos foram os primeiros homologados pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar,[2] e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando voo por seus próprios meios, sem a necessidade de uma rampa para lançamento.

Apesar de os brasileiros considerarem Santos Dumont como o responsável pelo primeiro voo num avião, na maior parte do mundo o crédito à invenção do avião é dado aos irmãos Wright. Uma excepção é a França, onde o crédito é dado a Clément Ader que efectuou o primeiro voo de um mais pesado que o ar propulsionado a motor e levantando voo pelos seus próprios meios em 9 de Outubro de 1890[3][4][5]. A FAI, no entanto, considera que foram os irmãos Wright os primeiros a realizar um voo controlado, motorizado, num aparelho mais pesado do que o ar[6], por uma decolagem e subsequente voo ocorridos em 17 de dezembro de 1903 no Flyer, já que os voos de Clément Ader foram realizados em segredo militar, vindo-se apenas a saber da sua existência muitos anos depois[7][8][9]. Por outro lado, o 14-Bis de Dumont teve uma decolagem autopropulsada, reconhecida oficialmente por publico e jornalistas, tendo sido a primeira atividade esportiva da aviação a ser homologada pela FAI.[2][10][11][12]Índice  [esconder]
1 Infância
2 O ingresso no alpinismo e no automobilismo
3 O ingresso no balonismo
4 O ingresso no dirigibilismo
4.1 O N-1
4.2 O N-2
4.3 O N-3
4.4 O N-4
4.5 O Fatum
4.6 O N-5
4.7 O N-6 e a vitória no Prêmio Deutsch
4.8 A fama internacional
4.9 Novos dirigíveis
5 O ingresso na aviação
5.1 O primeiro mais pesado: um planador
5.2 Um helicóptero
5.3 O 14-bis
5.4 O Oiseau de Proie
5.5 O Oiseau de Proie II
5.6 O Oiseau de Proie III
5.7 Novos aviões
6 Homenagens e aposentadoria
7 Últimos anos de vida
8 Morte
9 Uso militar de aviões
10 Livro inédito de Santos Dumont
11 Homenagens ao aviador
12 Representações na cultura
13 Referências
13.1 Bibliográficas
14 Ver também
15 Ligações externas

[editar]
Infância

Alberto Santos Dumont foi o sexto filho de Henrique Dumont, engenheiro formado pela Escola Central de Artes e Manufaturas de Paris, e Francisca de Paula Santos. O casal teve ao todo oito descendentes, três homens e cinco mulheres: Henrique dos Santos Dumont, Maria Rosalina Dumont Vilares, Virgínia Dumont Vilares, Luís dos Santos Dumont, Gabriela, Alberto Santos Dumont, Sofia e Francisca.

Em 1874 a família se mudou da Fazenda de Cabangu, localizada em Palmira, Minas Gerais, onde vivia, para Valença, no Rio de Janeiro. Aí adquiriu a Fazenda do Casal, junto à estação ferroviária de mesmo nome. Foi nesse lugar que Santos Dumont começou a dar mostras, por assim dizer, dos trabalhos aeronáuticos que tanto destaque lhe trariam, pois, conforme declarações dos seus pais, com apenas um ano de idade ele costumava furar balõezinhos de borracha para ver o que tinham dentro.[13] E foi em Valença que ocorreu o batismo de Santos Dumont, na Matriz de Santa Teresa, em 20 de fevereiro de 1877, pelo padre Teodoro Teotônio da Silva Carolina.[14]

Em 1879 os Dumont venderam a Fazenda do Casal e se estabelecerem no Sítio do Cascavel, em Ribeirão Preto, onde compraram a Fazenda Arindeúva, de José Bento Junqueira, de mil e duzentos alqueires. A propriedade, que logo ganhou o nome de Fazenda Dumont, em poucos anos se transformaria no maior estabelecimento agrícola do Brasil.

Santos Dumont lembraria com saudosismo os tempos passados na fazenda paterna, onde desfrutava da mais ampla liberdade:    Vivi ali uma vida livre, indispensável para formar o temperamento e o gosto pela aventura. Desde a infância eu tinha uma grande queda por coisas mecânicas e, como todos os que possuem ou pensam possuir uma vocação, eu cultivava a minha com cuidado e paixão. Eu sempre brincava de imaginar e construir pequenos engenhos mecânicos, que me distraíam e me valiam grande consideração na família. Minha maior alegria era me ocupar das instalações mecânicas de meu pai. Esse era o meu departamento, o que me deixava muito orgulhoso.”[15]   

Com apenas sete anos Santos Dumont já guiava os locomóveis da fazenda, e aos doze se divertia como maquinista das locomotivas, capazes de fatigar um homem com o triplo da sua idade; mas a velocidade realizável em terra não lhe bastava.[16]

Ao ler as obras do escritor francês Júlio Verne, nasceu em Santos Dumont o desejo de conquistar o ar. Os submarinos, os balões, os transatlânticos e todos os outros meios de transporte que o fértil romancista previu com tanta felicidade exerceram uma profunda impressão na mente do rapaz. Anos depois, já adulto, ele ainda lembrava com emoção as aventuras vividas em imaginação:    Com o Capitão Nemo e seus convidados explorei as profundidades do oceano, nesse precursor do submarino, o Nautilus. Com Fileas Fogg fiz em oitenta dias a volta ao mundo. Na Ilha a hélice e na Casa a vapor, minha credulidade de menino saudou com entusiástico acolhimento o triunfo definitivo do automobilismo, que nessa ocasião não tinha ainda nome. Com Heitor Servadoc naveguei pelo espaço.”[17]   

A tecnologia o fascinava. Começou a construir pipas e pequenos aeroplanos movidos por uma hélice acionada por molas de borracha torcida. E todos os anos, no dia 24 de junho, ele enchia frotas inteiras de diminutos balões de seda sobre as fogueiras de São João, para assistir em êxtase a sua ascensão aos céus.[18]

Pelos livros de Camille Flammarion e Wilfrid de Fonvielle ele conheceu a história da navegação aérea. Aprendeu que fora na França que o balão a hidrogênio havia sido inventado, que os primeiros voos haviam sido efetuados e que as maiores aeronaves haviam sido construídas. Sentiu-se atraído por esse país de grandeza e progresso.
[editar]
O ingresso no alpinismo e no automobilismo

Em 1891, com 18 anos, Santos Dumont fez uma viagem turística à Europa. Na Inglaterra passou alguns meses aperfeiçoando o seu inglês, e na França escalou o Monte Branco. Essa aventura, a quase 5.000 metros de altitude, acostumou-o a alturas elevadas. No ano seguinte, emancipado pelo pai, voltou à França e ingressou no automobilismo. Também iniciou estudos técnico-científicos com um professor de origem espanhola chamado Garcia. Em 1894 viajou para os Estados Unidos, visitando Nova Iorque, Chicago e Boston.[19]
[editar]
O ingresso no balonismo
 
Santos Dumont em 1898.

Em 1897, já independente e herdeiro de imensa fortuna – contava 24 anos –, Santos Dumont partiu para a França, onde contratou aeronautas profissionais que lhe ensinaram a arte da pilotagem dos balões. Sabe-se que em 1900 ele já havia criado nove balões, dos quais dois se tornaram famosos: o Brazil e o Amérique. O primeiro, estreado em 4 de julho de 1898, foi a menor das aeronaves até então construídas – inflado a hidrogênio, cubava apenas 118 metros –, e com o segundo obteve em 13 de junho de 1899 o quarto lugar num torneio aéreo, a Taça dos Aeronautas, destinada ao balonista que pousasse mais distante do ponto de partida, após 325 quilômetros percorridos e 22 horas de voo.
[editar]
O ingresso no dirigibilismo

Simultaneamente ao balonismo, Santos Dumont começou experiências de dirigibilidade. Ansiava por poder controlar o voo, e para isso desenhou uma série de balões alongados dotados de lemes e motores a gasolina.
[editar]
O N-1
 
O dirigível número 1.

O primeiro dirigível projetado por Santos Dumont, o N-1, com 25 metros de comprimento e 180 de cubagem, foi inflado no Jardim da Aclimação de Paris no dia 18 de setembro de 1898, mas acabou rasgado antes de experimentado, devido a uma manobra mal feita pelos ajudantes que em terra seguravam as cordas do aparelho. Reparada dois dias depois, a aeronave partiu e evoluiu em todos os sentidos. Um imprevisto, porém, encurtou a viagem: a bomba de ar encarregada de suprir o balonete interno, que mantinha rígido o invólucro do balão, não funcionou devidamente, e o dirigível, a 400 metros de altura, começou a se dobrar e a descer com rapidez. Numa entrevista, Santos Dumont contou como escapou da morte certa:    A descida efetuava-se com a velocidade de 4 a 5 m/s. Ter-me-ia sido fatal, se eu não tivesse tido a presença de espírito de dizer aos passantes espontaneamente suspensos ao cabo pendente como um verdadeiro cacho humano, que puxassem o cabo na direção oposta à do vento. Graças a essa manobra, diminuiu a velocidade da queda, evitando assim a maior violência do choque. Variei desse modo o meu divertimento: subi num balão e desci numa pipa.”[20]   

Um fato que merece ser mencionado é que o motor utilizado nesse dirigível foi uma invenção de Santos Dumont: tratava-se, na verdade, de um motor Dion-Bouton modificado, com dois cilindros unidos pelas extremidades – disposição denominada “em tandem”. Enquanto o motor original fornecia uma potência de 1,5 cavalo-vapor, a alteração feita por Santos Dumont mais que duplicou essa potência, que passou a ser de 3,5 cavalos-vapor. Conquanto o motor fosse revolucionário, aquecia rápido demais e não foi utilizado nas construções seguintes.
[editar]
O N-2

Em 1899 Santos Dumont construiu nova aeronave, a N-2, com o mesmo comprimento da primeira e mais ou menos a mesma forma, mas com diâmetro maior: 3,80 metros, o que elevou o volume para 200 metros cúbicos. Levando em conta a insuficiência da bomba de ar, que quase o havia matado, ele acrescentou um pequeno ventilador de alumínio para garantir que o formato do balão se mantivesse inalterável.

O primeiro teste foi marcado para 11 de maio de 1899. À hora da experiência, uma chuva forte tornou o balão pesado. A demonstração feita consistiu em manobras simples com a aeronave presa por uma corda; não obstante, o teste terminou nas árvores adjacentes. O balão havia se dobrado sob a ação combinada da contração do hidrogênio e da força do vento.[21]
[editar]
O N-3
 
O dirigível número 3.

Em setembro daquele ano Santos Dumont deu início à construção de um novo balão alongado, o N-3, inflado a gás de iluminação, com 20 metros de comprimento e 7,50 de diâmetro, com capacidade para 500 metros cúbicos. A cesta instalada era a mesma utilizada nas duas outras aeronaves. O balonete interno, que até então só havia lhe causado problemas, foi dispensado.

Às 15h30min do dia 13 de novembro, data em que, de acordo com alguns astrólogos, o mundo acabaria, Santos Dumont, num gesto de desafio, partiu no N-3 do Parque de Aerostação de Vaugirard e contornou a Torre Eiffel pela primeira vez. Do monumento seguiu para o Parque dos Príncipes e de lá para o campo de Bagatelle, próximo a Longchamps. Aterrissou no local exato onde o N-1 havia caído, dessa vez em condições controladas. Entusiasmou-se:    A partir desse dia, não guardei mais a menor dúvida a respeito do sucesso da minha invenção. Reconheci que iria, para toda a vida, dedicar-me à construção de aeronaves. Precisava ter minha oficina, minha garagem aeronáutica, meu aparelho gerador de hidrogênio e um encanamento, que comunicasse minha instalação com os condutos do gás iluminante.”[22]   

Com efeito, o previdente balonista logo mandou construir na localidade de Saint Cloud um grande hangar, comprido e alto o bastante para comportar o N-3 com o invólucro completamente cheio, bem como os diversos dispositivos necessários para a fabricação do gás hidrogênio. Esse aeródromo, pronto em 1900, tinha 30 metros de comprimento, 7 de largura e 11 de altura. Mas já não estava destinado a abrigar o N-3, que havia sido abandonado pelo inventor, e sim o N-4, concluído em 1o de agosto daquele ano.
[editar]
O N-4

Nessa época um vultoso prêmio agitava o meio aeronáutico. No dia 24 de março de 1900, o milionário judeu Henri Deutsch de la Meurthe, magnata do petróleo, havia enviado ao Presidente do Aeroclube da França, fundado há dois anos, uma carta na qual se comprometia a congratular com 100.000 francos aquele que inventasse uma máquina voadora eficiente:    Desejoso de concorrer para a solução do problema da locomoção aérea, comprometo-me a pôr à disposição do Clube Aéreo, uma soma de 100.000 francos, constituindo um prêmio, sob o título de Prêmio do Clube Aéreo, para o aeronauta que, partindo do parque de Saint Cloud, de Longchamps, ou de qualquer outro ponto, situado a uma distância igual da Torre Eiffel, alcance, em meia hora, este monumento, e, rodeando-o, volte ao ponto de partida. (…) Se julgar-se que algum dos concorrentes preencheu o programa, o prêmio lhe será entregue pelo próprio Presidente do Clube, à disposição de quem imediatamente porei a quantia acima indicada. Se no fim de cinco anos, a partir do dia 15 de abril do corrente, 1900, ninguém o tiver ganho, tenho por nulo o meu compromisso.”[23]   

O desafio ficou conhecido na imprensa como Prêmio Deutsch. O regulamento estipulava que uma aeronave, para ser considerada prática, deveria poder se deslocar à Torre Eiffel, contornar o monumento e retornar ao local da ascensão em no máximo trinta minutos, sem escalas, cobrindo ao todo 11 quilômetros sob as vistas de uma comissão do Aeroclube de França, convocada com pelo menos um dia de antecedência. A velocidade média mínima a atingir, portanto, era de 22 km/h. Conforme esse critério as máquinas voadoras apresentadas até aquele momento não haviam se provado eficientes.

O prêmio estimulou Alberto Santos Dumont a tentar com o N-4 voos mais velozes. A aeronave tinha 420 metros de cubagem, 29 de comprimento e 5,60 de diâmetro. Por baixo ficava uma quilha de vara de bambu de 9,40 metros, na metade da qual estavam o selim e os pedais de uma bicicleta comum. Montado no selim, o aeronauta tinha sob os pés os pedais de partida de um motor de 7 cavalos-vapor, que acionava uma hélice dianteira com duas pás de seda de 4 metros. Próximo ao piloto ficavam as pontas das cordas pelas quais se podiam controlar a regulagem do carburador e das válvulas, bem como o manuseio do leme, do lastro e dos pesos deslocáveis. O leme, pentagonal, foi colocado bem na extremidade do balão, no próprio material do invólucro.

Com o N-4 Santos Dumont fez em agosto voos quase diários partindo de Saint Cloud. Em 19 de setembro, perante membros do Congresso Internacional de Aeronautas, ele forneceu uma prova clara do trabalho efetivo de uma hélice aérea acionada por um motor a petróleo: marchou repetidas vezes contra o vento, impressionando os cientistas presentes.
[editar]
O Fatum

Tendo em vista alguns torneios aéreos, no começo de 1901 ele construiu o balão Fatum, esférico, com o qual ascendeu em janeiro, março e junho daquele ano. Testou nessas subidas um invento do aeronauta francês Emmanuel Aimé, denominado “termosfera”, destinado a possibilitar ao balonista melhor controle das alturas atingidas, no caso de 20 a 30 metros.
 
O dirigível número 5.
[editar]
O N-5

Retomando então o desafio do Prêmio Deutsch, Santos Dumont projetou o N-5, com motor de 16 cavalos-vapor. O dirigível, terminado em julho de 1901, tinha 550 metros de cubagem, 36 de comprimento e 6,5 de diâmetro.
[editar]
O N-6 e a vitória no Prêmio Deutsch
 
 Santos Dumont contornando a Torre Eiffel com o dirigível número 5, em 13 de julho de 1901. Esta fotografia é frequente e erroneamente identificada como sendo do dirigível número 6. Cortesia da Smithsonian Institution(SI Neg. No. 85-3941).

No dia 13 de julho de 1901, após algumas saídas de prática, Santos Dumont disputou com o N-5 o Prêmio Deutsch pela primeira vez. Cumpriu o trajeto exigido, mas ultrapassou em dez minutos o tempo limite estipulado para a prova. No dia 8 do mês seguinte, tentando o prêmio novamente, acabou por chocar a aeronave contra um prédio; embora o balão haja explodido e ficado completamente destruído, o piloto escapou incólume do acidente. E no dia 19 de outubro de 1901, com o balão N-6, de 622 metros cúbicos e motor de 20 cavalos, ele finalmente executou a prova, amealhando o cobiçado prêmio. Tornou-se reconhecido internacionalmente como o maior aeronauta do mundo e o inventor do dirigível. O prêmio era então de 129 mil francos, que Dumont distribuiu entre sua equipe e desempregados de Paris.
[editar]
A fama internacional

Com a conquista do Prêmio Deutsch, Santos Dumont passou a receber cartas de diversos países, em diferentes línguas, cumprimentando-o; revistas publicaram edições luxuosas, ricamente ilustradas, para reproduzir-lhe a imagem e perpetuar o feito; homenagens não lhe faltaram na França, no Brasil, na Inglaterra e em vários outros países: ainda em 1901, o presidente do Brasil, Campos Salles enviou-lhe um prêmio em dinheiro no mesmo valor do Prêmio Deutsch, bem como uma medalha de ouro com sua efígie e uma alusão a Camões: “Por céus nunca dantes navegados.”; em janeiro de 1902, Alberto I, o entusiasta príncipe de Mônaco, lhe fez o convite irrecusável para que continuasse suas experiências no Principado. Oferecia-lhe um novo hangar na praia de La Condamine, e tudo mais que Alberto julgasse necessário para o seu conforto e segurança; em abril desse ano, a convite, Santos Dumont viajou aos Estados Unidos, onde visitou os laboratórios de Thomas Edison, em Nova Iorque, e foi recebido na Casa Branca, em Washington, DC, pelo presidente Theodore Roosevelt.
[editar]
Novos dirigíveis
 
O dirigível número 9.

Após o período de homenagens, Santos Dumont passou a dedicar-se à construção de novos modelos de dirigíveis, cada um com uma finalidade específica: o N-7, de 1.260 metros cúbicos e motor de 46 cavalos-vapor, projetado para ser um dirigível de corrida, foi testado em Neuilly (França) em maio de 1904. No mês seguinte a aeronave sofreu sabotagem numa exposição organizada em Saint Louis (Estados Unidos da América), ficando estraçalhada, e não pôde ser reconstruída – um malfeitor, jamais identificado, desferiu quarenta e oito facadas no invólucro; o N-8 tratou-se de uma cópia do N-6 encomendada por um colecionador estadunidense, chamado Boyce; o N-9, de 220 metros cúbicos e 3 cavalos-vapor de potência, foi um dirigível de passeio, no qual Santos Dumont fez vários voos ao longo de 1903, o último dos quais em 14 de julho. Esse dirigível também foi vendido ao Sr. Boyce; o N-10, de 2.010 metros cúbicos e motor de 60 cavalos-vapor, foi um dirigível ônibus, grande o bastante para levar várias pessoas e servir para o transporte coletivo. Embora a aeronave tenha feito algumas ascensões em outubro de 1903, nunca foi completamente terminada; o N-11, de 1.200 metros cúbicos e 34 metros de comprimento, provido de um motor de 16 cavalos-vapor, não passava de uma cópia reduzida do N-10. Acabou comprado em abril de 1904 por um norte-americano ignorado;[24] o No 12, uma réplica do N-9, foi outra encomenda do Sr. Boyce a Santos Dumont; finalmente, o N-13, um luxuoso balão duplo de ar quente e hidrogênio, de 2.000 metros cúbicos, capaz de se manter semanas na atmosfera, foi destruído por uma tempestade antes de ser experimentado, em dezembro de 1904.
[editar]
O ingresso na aviação
 
O Santos-Dumont 14-bis sendo testado no campo de Bagatelle, em julho de 1906.

Filmagem de Alberto Santos Dumont no 21º segundo de um noticiário de 1945 sobre as várias estreias em voo humano, mas esteja ciente de erros factuais na narração (tamanho original).

Em outubro de 1904 três prêmios de aviação foram fundados na França: o Prêmio Archdeacon, o Prêmio do Aeroclube da França e o Prêmio Deutsch-Archdeacon. O primeiro, promovido pelo milionário Ernest Archdeacon, concederia 3.000 francos (600 dólares) para quem voasse 25 metros; o segundo, instituído pelo aeroclube francês, concederia 1.500 francos (300 dólares) para quem voasse 100 metros; e o terceiro, patrocinado por Henri Deutsch de la Meurthe e Ernest Archdeacon, concederia 50.000 francos (10.000 dólares) para quem voasse 1.000 metros em circuito fechado, isto é, retornando ao ponto de partida.

Com exceção do Prêmio Deustch-Archdeacon, que não admitia que o aparelho concorrente se valesse em momento algum de balão para a sustentação, os outros prêmios deixavam aberta a questão da decolagem. O voo podia se dar em terreno plano ou desnivelado, em tempo calmo ou sob vento – o Prêmio do Aeroclube de França exigia que o voo fosse contra o vento –, e o uso de motor não era obrigatório. Isso conferia passe livre para que planadores e ornitópteros movidos pela força humana também pudessem concorrer. Era expressamente exigido por todos os prêmios, porém, que a prova ocorresse na França e sob a supervisão de uma comissão aeronáutica convocada no mais tardar na noite da véspera.[25]

Pouca coisa do que era pedido era inédita. Inventores, em outros países, já haviam cumprido ou até mesmo superado algumas das metas requeridas. Na Alemanha, Otto Lilienthal efetuou no início da década de 1890 milhares de voos planados descendentes, atingindo com frequência distâncias bem maiores que os 25 metros estipulados pelo Prêmio Archdeacon. E nos Estados Unidos, os irmãos Wright faziam desde 1903 voos cada vez mais longos em planadores motorizados, valendo-se para decolar ora de ventanias, ora de um engenhoso sistema de catapultagem, mas sempre sem qualquer controle oficial.

Os prêmios instigaram Alberto Santos Dumont a se dedicar ao mais pesado.
[editar]
O primeiro mais pesado: um planador

No começo de 1905 Santos Dumont construiu um aeromodelo de planador inspirado num protótipo auto-estável feito 100 anos antes pelo cientista inglês George Cayley, considerado o primeiro aeroplano da História: o modelo, de 1,5 metro de comprimento por 1,2 de envergadura, era provido de asas fixas, cauda cruciforme e um peso móvel para ajustar o centro de gravidade. O planador de Dumont diferia do de Cayley pelas dimensões, pelo perfil das asas e pelo fato de não possuir nenhum peso móvel.

A primeira experiência, realizada no dia 13 de maio no Aeroclube da França, foi feita pelos irmãos Dufaux com um protótipo de helicóptero. O modelo, de 17 quilogramas e dotado de um motor de 3 cavalos-vapor, subiu veloz repetidas vezes até o teto do alpendre do aeroclube, levantando nuvens de pó. Estava demonstrado que mais pesados de grandes dimensões podiam se elevar por meios próprios.[26]

A segunda experiência foi feita no dia 8 de junho no rio Sena: Gabriel Voisin subiu no hidroplanador Archdeacon, rebocado por uma lancha pilotada por Alphonse Tellier, La Rapière. A 40 km/h, o aparelho ergueu-se da água, elevou-se a impressionantes 17 metros de altura e voou 150 metros. Santos Dumont percebeu que a era do avião estava próxima.
[editar]
Um helicóptero

Dividido, passou a estudar as duas soluções para o mais pesado. Em 3 de janeiro de 1906, inscreveu-se no Prêmio Deutsch-Archdeacon e nesse mesmo mês iniciou a construção de um helicóptero, mas desistiu do engenho no dia 1 de junho, em razão do mau rendimento das correias de transmissão.
[editar]
O 14-bis
Ver artigo principal: Santos-Dumont 14-bis
 
Ilustração do voo do Santos-Dumont 14-bis em 12 de novembro de 1906, que rendeu a Santos Dumont o Prêmio do Aeroclube da França.

Construiu então uma máquina híbrida, o 14-bis, um avião unido a um balão de hidrogênio para reduzir o peso e facilitar a decolagem. Apresentou o exótico aeródino pela primeira vez no dia 19 de julho, em Bagatelle, onde fez algumas corridas, obtendo saltos apreciáveis. Animado, decidiu se inscrever para os prêmios Archdeacon e Aeroclube da França no dia seguinte, data do seu aniversário – completaria 33 anos –, mas foi imediatamente desestimulado pelo capitão Ferdinand Ferber, outro entusiasta da aviação. Ferber havia assistido às demonstrações e não gostara da solução apresentada por Dumont; considerava o híbrido uma máquina impura. “A aviação deve ser resolvida pela aviação!”, declarou.[27]
[editar]
O Oiseau de Proie

Santos Dumont resolveu ouvir as críticas do colega. Não concorreria aos prêmios com o misto, mas mesmo assim em 20 de julho inscreveu-se para as provas e nos três dias seguintes continuou a testar o avião acoplado ao balão, a fim de praticar a direção. Ao longo dos testes percebeu que, embora o balão favorecesse a decolagem, dificultava o voo. O arrasto gerado era muito grande. Desfez-se do aeróstato, e o biplano, enfim liberto do seu leve companheiro, recebeu da imprensa o nome de Oiseau de Proie (“Ave de rapina”).

O Oiseau de Proie havia sido nitidamente inspirado no hidroplanador testado por Voisin. À semelhança do planador aquático, o invento também consistia num biplano celular baseado na estrutura criada em 1893 pelo pesquisador australiano Lawrence Hargrave, que oferecia boa sustentação e rigidez. Cada asa era formada por três células cúbicas de 1,2 metro de aresta, dispostas em V, de modo a garantir a estabilidade lateral. Foi sem dúvida Ferber quem aconselhou Dumont a adotar o diedro positivo, mas enquanto o francês havia se contentado com 3 graus no 6-bis – um planador motorizado de sua invenção experimentado no ano anterior -, o brasileiro se valeu de 10.
 
14 bis puxado por um asno durante testes.

O avião tinha 4 metros de altura, 10 de comprimento e 12 de envergadura, com superfície alar de 50 metros quadrados. A massa da aeronave era de 205 quilogramas, sem piloto. As asas ficavam fixas a uma viga, na frente da qual jazia o leme, constituído por uma célula idêntica às das asas. Na extremidade posterior ficava a hélice, movida por um motor Levavasseur de 24 cavalos. O trem de pouso possuía duas rodas. O aeronauta ia em pé, em uma cesta situada entre as asas, clara influência da tradição de Dumont como balonista e resquício da configuração original da máquina.

Em 29 de julho, utilizando a força de um asno, Santos Dumont içou o Oiseau de Proie por meio de um sistema de cabos até o alto de uma torre de 13 metros de altura (2 metros ficavam fincados no chão), instalada há alguns dias em sua propriedade em Neuilly. Essa armação era muito semelhante à que Ferber havia utilizado em Chalais-Meudon para os experimentos de maio de 1905 com o 6-bis. O avião, suspenso por um gancho móvel conectado a um fio de aço inclinado, deslizou sem a hélice 60 metros do topo da torre até outra menor, de apenas 6 metros, fincada no Boulevard de la Seine. O metódico inventor procurava sentir como seria voar em aeroplano e ao mesmo tempo estudar o centro de gravidade do aparelho.[28]
 
Um cartão-postal do Santos-Dumont 14-bis.

Em agosto Santos Dumont alterou o trem de pouso com a colocação de uma pequena roda traseira. No dia 21 tirou o avião do hangar e deslocou-se para o campo de provas de Bagatelle, onde experimentou a hélice em marcha. O eixo motor não resistiu e se quebrou. No dia seguinte uma hélice nova forneceu 1.400 rotações por minuto. No dia 23 o aeroplano fez 25 km/h sobre a relva, sem decolar.

Era preciso aumentar a potência. Em 3 de setembro Santos Dumont substituiu o motor de que estava se valendo, de 24 cavalos-vapor, por um de 50, emprestado por Louis Charles Bréguet. Nos dias 4 e 7 desenvolveu velocidades de 35 km/h e percebeu que a decolagem era iminente. Marcou a prova para o dia 13. Na primeira tentativa não decolou, e na segunda saltou somente. No pouso a hélice e a parte traseira do aeroplano ficaram danificadas. A despeito disso, a experiência foi julgada importante e uma ata foi lavrada.
[editar]
O Oiseau de Proie II

No dia 23 de outubro, Santos Dumont apresentou-se em Bagatelle com o Oiseau de Proie II, uma modificação do modelo original. O avião havia sido envernizado para reduzir a porosidade do tecido e aumentar a sustentação. A roda traseira fora suprimida. Pela manhã limitou-se a manobrar o aeroplano pelo gramado, até que o eixo da hélice se partiu, só sendo consertado à tarde, após o que o avião foi colocado em posição para uma tentativa oficial. Uma multidão ansiosa estava presente. Às 16h45min Santos Dumont ligou o motor. A hélice começou a girar, e o Oiseau de Proie II pôs-se em marcha, ganhando velocidade rapidamente. Para espanto de todos, depois de correr cerca de 100 metros, o biplano decolou.

O grande pássaro mecânico se elevava com vagar, mas de maneira inequívoca e incessante. Ao mesmo tempo, tal qual o pescoço estendido de um cisne branco em voo, a proa do aparelho avançava continuamente no espaço. O voo em si não duraria nem muito tempo e nem iria muito alto, mas consagraria um magnífico e importante salto em direção às nuvens: passados apenas 6 segundos no ar e após haver atingido 3 metros de altura, o majestoso cisne pousava, a 60 metros de onde partira.

A prova havia sido cumprida. Mais do dobro da distância predeterminada fora coberta. Homem e máquina haviam se elevado no espaço e se sustentado por 60 metros em pleno ar, sem o aproveitamento de ventos contrários, sem a utilização de rampas, catapultas, declives ou outros artifícios. O voo havia se dado unicamente pelos próprios meios do aparelho, o que constituía uma façanha inédita. O primeiro voo completo da aviação estava realizado![29]

A multidão, até então muda de admiração, soltou um brado de entusiasmo, correu até o piloto e o carregou em triunfo. Mesmo os juízes haviam sido tomados de emoção: surpresos, esqueceram-se de cronometrar e acompanhar o voo, e devido à falha o recorde não poderia ser homologado. Todas as medidas (altura, distância, tempo) tiveram que ser estimadas, mas a comissão, certa de que a distância mínima de 25 metros fora coberta, declarou Santos Dumont o ganhador do Prêmio Archdeacon.
[editar]
O Oiseau de Proie III
 
O voo do Santos-Dumont Demoiselle.

O avião havia sido inventado, mas ainda era uma máquina muito precária. Para disputar o Prêmio do Aeroclube da França, Santos Dumont inseriu entre as asas duas superfícies octogonais (ailerões rudimentares) com as quais esperava obter melhor controle da direção. Surgia o Oiseau de Proie III.

Concorreu ao prêmio em 12 de novembro de 1906, mais uma vez em Bagatelle. Fez seis voos públicos nesse dia: um às 10h, de 40 metros; dois outros às 10h25min, respectivamente de 40 e 60 metros, quando o eixo da roda direita se quebrou. A avaria foi reparada durante o almoço e Santos Dumont recomeçou às 16h09min. Cobriu 82,60 metros, ultrapassando o feito de 23 de outubro. Às 16h45min, com o dia já terminando, partiu contra o vento e voou 220 metros, ganhando o Prêmio do Aeroclube da França! Esses foram os primeiros voos de avião registrados por uma companhia cinematográfica, a Pathé.[30]
[editar]
Novos aviões

Fez ainda o N-15, em contraplacado de madeira, o N-16, misto de dirigível e avião, o N-17 e o N-18, um deslizador aquático. Descontente com os resultados dos números 15 a 18, fez uma nova série, de tamanho menor e mais aprimoradas, as Demoiselles.
[editar]
Homenagens e aposentadoria
 
Estátua em homenagem a Santos Dumont em Saint-Cloud, França.

Em 25 de julho de 1909, Louis Blériot atravessou o Canal da Mancha, tornando-se um herói na França. Guilherme II, Imperador da Alemanha, disse então uma frase que apareceu estampada em vários jornais: “A Inglaterra não é mais uma ilha.” Santos Dumont, em carta, parabenizou Blériot, seu amigo, com as seguintes palavras: “Esta transformação da geografia é uma vitória da navegação aérea sobre a navegação marítima. Um dia, talvez, graças a você, o avião atravessará o Atlântico” (o primeiro aviador das Américas a cruzar o Oceano Atlântico sem auxílio de navios de apoio e sem fazer escalas foi o brasileiro João Ribeiro de Barros em 1927). Blériot, então, respondeu: “Eu não fiz mais do que segui-lo e imitá-lo. Seu nome para os aviadores é uma bandeira. Você é o nosso líder.”

Santos-Dumont começou a sofrer de esclerose múltipla. Envelheceu na aparência e sentiu-se cansado demais para continuar competindo com novos inventores nas diversas provas. Encerrou as atividades de sua oficina em 1910 e retirou-se do convívio social.

Em reconhecimento às suas conquistas, o Aeroclube da França o homenageou com a construção de dois monumentos: o primeiro, em 1910, erguido no campo de Bagatelle, onde realizara o voo com o Oiseau de Proie, e o segundo, em 1913, em Saint-Cloud, em comemoração do voo do dirigível Nº 6, ocorrido em 1901. Por ocasião da inauguração do monumento de Saint-Cloud – uma bela e imponente estátua de Ícaro – um de seus amigos de longa data, o desenhista Georges Goursat (vulgo “Sem”), escreveu para a revista L’Illustration as linhas que se seguem:    Esse soberbo gênio de formas atléticas, de grave perfil, que mantém abertas nas amarras dos braços as suas asas, rudemente empunhadas como dois escudos, simboliza nobremente a grande obra de Santos Dumont: ele evocaria de uma maneira bem inexata o pequeno grande homem simples, ágil e risonho, que ele é em realidade. Vestido com um casaco e com uma calça muito curta sempre arregaçada, coberto com chapéu mole cujos bordos estão em contrapartida sempre rebatidos, ele nada tem de monumental. O que o distingue é o gosto pela simplificação, das formas geométricas, e tudo no seu aspecto denota este caráter. Tem paixão pelos instrumentos de precisão. Sobre a sua mesa de trabalho estão instaladas pequenas máquinas de precisão, verdadeiras jóias da mecânica, que não lhe servem para nada e estão lá somente para o prazer de tê-las como bibelôs. Ali se vê, ao lado de um barômetro e de um microscópio do último modelo, um cronômetro de marinha, na sua caixa de mogno. Até mesmo no terraço de sua vila ergue-se um esplêndido telescópio, com o qual ele se dá à fantasia de inspecionar o céu. Tem horror a toda complicação, a toda a cerimônia, a todo fausto. Assim, que rude e deliciosa provação para a sua modéstia, esta inauguração! Há treze anos eu o conheço; foi a primeira vez que o vi de cartola e sobrecasaca. E, mesmo para essa única circunstância – suprema concessão aos costumes –, suas calças corretamente esticadas cobriam as espantadas botinas. Ao pé de seu próprio monumento, vestido de herói oficial, enternecido de constrangimento e falta de jeito, ele me pareceu como uma espécie de mártir da glória.   

[31]
[editar]
Últimos anos de vida    Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Google — notícias, livros, acadêmico — Scirus. Veja como referenciar e citar as fontes.   

 
Santos Dumont em 1916.

Em agosto de 1914, a França foi invadida pelas tropas do Império Alemão. Era o início da Primeira Guerra Mundial. Aeroplanos começaram a ser usados na guerra, primeiro para observação de tropas inimigas e, depois, em combates aéreos. Os combates aéreos ficavam mais violentos, com o uso de metralhadoras e disparo de bombas. Santos Dumont viu, de uma hora para a outra, seu sonho se transformar em pesadelo. Daí começava a guerra de nervos do “Pai da Aviação”.

Santos Dumont agora se dedicava ao estudo da astronomia, residindo em Trouville, perto do mar. Para isso usava diversos aparelhos de observação, que os vizinhos julgaram ser aparelhos de espionagem, para colaborar com os alemães. Foi preso sob essa acusação. Após o incidente ser esclarecido, o governo francês pediu desculpas formalmente.

Em 1915, sua saúde piorava e decidiu retornar ao Brasil. No mesmo ano, participou do 11º Congresso Científico Pan-Americano nos Estados Unidos, tratando do tema da utilização do avião como forma de facilitar o relacionamento entre os países da América. No entanto, mesmo nas Américas o avião era utilizado para fins militares: nos Estados Unidos eram produzidos 16 aviões militares por dia.
 
Chalé “A Encantada”, onde Santos Dumont morou, em Petrópolis, Rio de Janeiro.

Já com a depressão que ia acompanhá-lo nos seus últimos dias, encontrou refúgio em Petrópolis, onde projetou e construiu seu chalé “A Encantada”: uma casa com diversas criações próprias, como uma mesa de refeições de grande altura, um chuveiro de água quente e uma escada diferente, onde só se pode pisar primeiro com o pé direito. A casa atualmente funciona como um museu. Permaneceu lá até 1922, quando visitou a França chamado por amigos. Não estabeleceu mais um local fixo. Permanecia algum tempo em Paris, São Paulo, Rio de Janeiro, Petrópolis e na Fazenda Cabangu, em sua cidade natal.

Em 1922, condecorou Anésia Pinheiro Machado, que durante as comemorações do centenário da independência do Brasil, fizera o percurso Rio de Janeiro-São Paulo num avião. Nesse mesmo ano, mandou erguer um túmulo para seus pais e para si mesmo, no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. O túmulo é uma réplica do Ícaro de Saint-Cloud.

Em janeiro de 1926, apelou à Liga das Nações para que se impedisse a utilização de aviões como armas de guerra. Chegou a oferecer dez mil francos para quem escrevesse a melhor obra contra a utilização de aviões na guerra. Nesse mesmo ano, inventou um motor portátil para esquiadores, que facilitava a subida nas montanhas. Foi experimentado pela campeã de esqui da França, Srta. Porgés. Interna-se no sanatório Valmont-sur-Territet, na Suíça.

Em maio de 1927, chegou a ser convidado pelo Aeroclube da França para presidir o banquete em homenagem a Charles Lindberg, pela travessia do Atlântico, feita por ele próprio, mas declinou do convite devido a seu estado de saúde. Passou algum tempo em convalescença em Glion, na Suíça e depois retorna à França.

Retornou ao Brasil, de navio Cap. Arcona, em 1928. A cidade do Rio de Janeiro recebê-lo-ia festivamente. Mas o hidroavião que ia fazer a recepção, da empresa Condor Syndikat, que fora batizado com seu nome, sofreu um acidente, sem sobreviventes ao sobrevoar o navio onde Santos-Dumont estava. O avião levava pessoas de projeção — grandes nomes da engenharia. Abatido, ele suspende as festividades e retorna a Paris.

Em junho de 1930, foi condecorado pelo Aeroclube da França com o título de Grande Oficial da Legião de Honra da França.
[editar]
Morte
 
Carro fúnebre que transportou o corpo de Santos Dumont, no Guarujá, São Paulo.

Em 1931, esteve internado em casas de saúde em Biarritz, e em Ortez no sul da França. Antônio Prado Júnior, ex-prefeito do Rio de Janeiro (então capital do Brasil), havia sido exilado pela revolução de 1930 e fora para a França. Encontrou Santos Dumont em delicado estado de saúde, o que o levou a entrar em contato com sua família e a pedir ao seu sobrinho Jorge Dumont Vilares que o fosse buscar a França. De volta ao Brasil, passam por Araxá, em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e finalmente instalam-se no Grand Hôtel La Plage[32], no Guarujá, onde se instalou em maio de 1932. Antes, em junho de 1931 tinha sido eleito imortal da Academia Brasileira de Letras, para a cadeira 38, mas não chegou a tomar posse.

Em 1932 ocorreu a revolução constitucionalista, em que o estado de São Paulo se levantou contra o governo revolucionário de Getúlio Vargas. Mas o conflito aconteceu e aviões atacaram o Campo de Marte, em São Paulo, no dia 23 de julho. Possivelmente, sobrevoaram o Guarujá, e a visão de aviões em combate pode ter causado uma angústia profunda em Santos Dumont que, nesse dia, aproveitando-se da ausência de seu sobrinho, suicidou-se, aos 59 anos de idade. Não deixou descendência ou nota de suicídio. Seu corpo está enterrado no Cemitério São João Batista, no Rio de Janeiro. O médico Walther Haberfield removeu secretamente seu coração e o preservou em formol.[33] Depois de manter segredo sobre isto durante doze anos, quis devolver o coração à família Dumont que não o aceitou. O médico então doou o coração de Santos Dumont ao governo brasileiro. Hoje o coração está exposto no museu da Força Aérea no Campo dos Afonsos.[34]
[editar]
Uso militar de aviões

A versão de que Santos-Dumont sempre foi contrário ao uso militar de aviões contrasta com seus escritos: de fato Santos-Dumont chegou a persuadir o presidente da república do Brasil para o incremento das atividades militares, tanto da Marinha do Brasil, como do Exército Brasileiro.

Em seu livro “O Que Eu Vi, O Que Nós Veremos”,[35] Santos Dumont transcreveu cartas de sua autoria ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil (nome oficial do Brasil à época), sobre o atraso da indústria aeronáutica militar no Brasil, salientando a necessidade da instalação de campos de pouso militares tanto do Exército como da Marinha. Destacava ainda que o assunto não era tratado com a atenção devida, sendo que na Europa, nos Estados Unidos da América e mesmo na América do Sul, no caso na Argentina e no Chile, o tema já era amplamente desenvolvido.
[editar]
Livro inédito de Santos Dumont

Em meio aos eventos que marcaram o centenário do voo do 14-bis,[36] surge uma descoberta que pode revolucionar o entendimento dos métodos de trabalho do aviador. Familiares descobriram um livro inédito escrito de próprio punho por Santos Dumont.[37] O manuscrito, com 312 páginas, foi escrito por volta de 1902. Entre as passagens do livro, destacam-se trechos sobre o sonho de virar aeronauta e o encontro com Thomas Edison.
[editar]
Homenagens ao aviador
 
Busto de Santos-Dumont e réplica do 14-bis no Museu Aeroespacial.
O poeta Eduardo das Neves compôs em 1902 a música A Conquista do Ar em homenagem aos feitos de Dumont.
Em 31 de julho de 1932 o decreto estadual n° 10.447 mudou o nome da cidade de Palmira, em Minas Gerais, para Santos-Dumont.
A Lei n° 218, de 4 de julho de 1936, declara 23 de outubro o dia do aviador, em homenagem ao primeiro vôo da história, realizado nesta data, em 1906.
Em 16 de outubro de 1936, o primeiro aeroporto do Rio de Janeiro foi batizado com seu nome.
A Lei 165, de 5 de dezembro de 1947, concedeu-lhe o posto honorífico de tenente-brigadeiro.
Em 1956 o Correio Brasileiro lançou uma série de selos comemorativa ao cinqüentenário do primeiro vôo de aparelho mais pesado que o ar. No mesmo ano o correio do Uruguai lançou uma série de selos comemorativa do mesmo feito. E ainda em 1956, a casa natal de Santos Dumont, em Cabangu, Minas Gerais, foi transformada em museu pelo decreto estadual nº 5.057, o Museu Casa Natal de Santos Dumont.
A Lei 3636, de 22 de setembro de 1959, concedeu-lhe o posto honorífico de marechal-do-ar.
Em 1973 o Correio Brasileiro lançou uma série de selos comemorativa ao centenário de Santos Dumont. O mesmo ocorre nos correios da Bolívia e da França. Ainda em 1973 é lançada uma edição com dois LPs sobre o centenário de Santos Dumont.
 
Réplica do 14-bis em Brasília (7 de setembro de 2006).
 
Alexandre e Marcos Vilares, sobrinhos-bisnetos de Santos Dumont, na cerimônia de inscrição de Santos Dumont como herói nacional em Brasília, 26 de julho de 2006(Imagem:Wilson Dias/ABr)
Em 1976 a União Astronômica Internacional prestou homenagem ao inventor brasileiro, colocando seu nome em uma cratera lunar. É o único brasileiro detentor desta distinção.
Em 1981 o Correio Brasileiro lançou uma série de selos comemorativa aos 75 anos do primeiro voo de aparelho mais pesado que o ar.
A Lei 7.243, de 4 de novembro de 1984, concedeu-lhe o título de Patrono da Aeronáutica Brasileira.
Em 13 de outubro de 1997, o então presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton em visita ao Brasil, discursou no Palácio do Itamaraty, se referindo a Santos Dumont como o pai da aviação.
Em 1997 o Correio Brasileiro lançou uma série de selos comemorativos do centenário da dirigibilidade dos balões.
Em 2005 o governo brasileiro comprou um avião da Airbus (Airbus Corporate Jetliner) para o deslocamento do presidente da República, sendo esse batizado de Santos Dumont.
Em 18 de outubro de 2005, a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos) assinaram um acordo para a realização da Missão Centenário, que levou o astronauta brasileiro Marcos César Pontes à Estação Espacial Internacional. A missão é uma homenagem ao centenário do vôo de Santos Dumont no 14 Bis, ocorrido no dia 23 de outubro de 1906. O lançamento da nave Soyuz TMA-8 ocorreu em 30 de março de 2006, no Centro de Lançamento de Baikonur (Cazaquistão).
Em 26 de julho de 2006 seu nome foi incluído no Livro de Aço dos Heróis Nacionais localizado no Panteão da Pátria, em Brasília, garantindo-lhe assim o status de Herói Nacional.
Em 23 de outubro de 2006, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos lançou o selo comemorativo em homenagem ao centenário do vôo do 14-bis. No mesmo dia, também foi lançada a moeda comemorativa à invenção de Santos Dumont.
A partir do ano de 2006 as licenças aeronáuticas conhecidas comumente como “brevês” possuem um selo holográfico contendo o rosto de Santos Dumont e a figura do 14-bis, em comemoração ao centenário da aviação e em homenagem a Santos Dumont, o realizador deste feito.
[editar]
Representações na cultura

Santos Dumont já foi retratado como personagem no cinema e na televisão, interpretado por Denis Manuel no filme “Les Faucheurs de Marguerites” (1974), de Marcel Camus, na novela “Zazá” (1997), Cássio Scapin na minissérie “Um Só Coração” (2004) e Daniel de Oliveira no filme “14 Bis” (2006). Também teve sua efígie impressa nas notas de NCr$ 10,00 (dez cruzeiros novos) de 1967.
Referências
↑ M. Santos Dumont Rounds Eiffel Tower.” New York Times, October 20, 1901. Retrieved January 12, 2009..
↑ a b Les vols du 14bis relatés au fil des éditions du journal l’illustration de 1906. A frase diz: “cette prouesse est le premier vol au monde homologué par l’Aéro-Club de France et la toute jeune Fédération Aéronautique Internationale (FAI).”.
↑ Governo francês. Clément Ader (1841-1925). Página visitada em 2 de Julho de 2010.
↑ Charles H. Gibbs-Smith. Clement Ader: his flight-claims and his place in history (em Inglês). [S.l.]: London, H.M.S.O, 1968. 214 p.
↑ Jacques Legrand, Edouard Chemel. Chronique de L’aviation (em Francês). [S.l.]: Chronique, 1998. 1008 p. ISBN 978-2905969514 p.16
↑ FAI NEWS: 100 Years Ago, the Dream of Icarus Became Reality “the first sustained and controlled heavier-than-air powered flight”
↑ Pierre Lissarague. Clément Ader, inventeur d’avions. [S.l.]: Toulouse, 1990. ISBN 2-7089-5355-9
↑ Vários. Au temps de Clément Ader (em Francês). [S.l.]: ouvrage coordonné par l’Académie de l’Air et de l’Espace, 1994. 176 p. ISBN 2-87717-044-6
↑ Clément ADER – Biographie. Avions Legendaires. Página visitada em 2 de Julho de 2010.
↑ A Century of Sporting Achievements (em inglês). Página visitada em 20 de maio de 2010. “A century later, historians consider this flight, which was duly recorded by official observers from the Aéro-Club de France, to be the first aviation sporting performance homologated by the FAI.”
↑ Nota do Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez: “A inteligência brasileira”. Página visitada em 20 de maio de 2010. “Por esse feito, com o testemunho de uma multidão de pessoas, Santos-Dumont conquistou o “Prêmio Archdeacon”, honraria concedida ao primeiro aviador que conseguisse voar uma distância de 25m com ângulo máximo de queda de 25%. O fato teve o reconhecimento e a homologação do órgão de aviação da época, L`Aero-Club de France e sancionado pelo embrião da International Aeronautics Federation (FAI).”
↑ Santos-Dumont: Pionnier de l’aviation, dandy de la Belle Epoque..
↑ LAFITTE, Pierre. Une lettre du vainqueur, La vie au grand air. Paris: Pierre Laffite et Cie., 1901, p. 2.
↑ Arquivo da Igreja da Matriz de Santa Teresa. Livro de batismos da Matriz de Santa Teresa, 1877, vol. 1, fol. 41.
↑ REICHEL, Frantz. Notre interview de Santos Dumont, Lecture pour tous. Paris: no 7, jan. 1914, p. 591-592.
↑ DUMONT, Alberto Santos. Os meus balões. Brasília: Fundação Rondon, 1986, p. 23.
↑ DUMONT, Alberto Santos. How I became an aeronaut and my experience with airships – Part 1, McClures’s Magazine. Nova Iorque: S. S. McClure Co., ago. 1902, p. 307.
↑ DUMONT, Alberto Santos. Os meus balões. Brasília: Alhambra, 3a edição, s/d, p. 23.
↑ HEILIG, Sterling. The dirigible balloon of M. Santos Dumont. The Century Illustrated Monthly Magazine. Nova Iorque: The Century Company, no 1, nov. 1901, p. 67-68.
↑ AIMÉ, Emmanuel. L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 9o ano, no 4, abr. 1901, p. 76.
↑ DUMONT, Alberto Santos. How I became an aeronaut and my experience with airships – Part 2, McClures’s Magazine. Nova Iorque: S. S. McClure Co., set. 1902, p. 454.
↑ DUMONT, Alberto Santos. Os meus balões. Brasília: Fundação Rondon, 1986, p. 113.
↑ Aeronáutica, Jornal do Commercio. Rio de Janeiro: Propriedade de Rodrigues & Comp., n. 287, segunda-feira, 15 out. 1900, p. 2.
↑ B., G.. Le retour et les préparatifs de Santos Dumont, L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 12o ano, no 6, abr. 1904, p. 91-92.
↑ Les concours d’aviation. L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 12o ano, no 10, out. 1904, p. 224-225.
↑ Mais pesado que o ar, Jornal do Commercio. Rio de Janeiro: Propriedade de Rodrigues & Comp., no 161, domingo, 11 jun. 105, p. 3.
↑ Chez Santos Dumont, Les sports, sexta-feira, 20 jul. 1906
↑ DEGOUL, Marius. L’aeroplane Santos Dumont, L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 14o ano, no 7, jul. 1906, p. 167-169.
↑ FERBER, Capitaine. Le deuxième envolée de Santos Dumont., L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 14o ano, no 10, out. 1906, p. 245.
↑ CLÉRY, A. Nouveau triomphe de Santos Dumont, L’Aérophile. Paris: Aéroclub de France, 14 ano, n. 12, dez. 1906, p. 292.
↑ SEM, Santos Dumont, L’Illustration. Paris: no 3.687, sábado, 25 out. 1913, p. 306.
↑ Agitado, Guarujá é balneário desde 1893 Caderno Turismo – jornl Folha de São Paulo
↑ Snookerclube.
↑ História Abril – Santos Dumont: vida e morte de um bon vivant.
↑ O Que Eu Vi, O Que Nós Veremos.
↑ Agência Brasil (23 de Outubro de 2006) Aeronáutica faz encenação em Brasília para lembrar centenário do vôo do 14-Bis.
↑ Familiares descobrem um livro inédito de Santos-Dumont.
[editar]
Bibliográficas
FONSECA, Gondin da. Santos Dumont. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1956.
MUSA, João Luis, MOURÃO, Marcelo Breda, TILKIAN, Ricardo. Alberto Santos Dumont – Eu naveguei pelo ar. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2001.
NAPOLEÃO, Aluízio. Santos Dumont e a conquista do ar. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Ultraleves, 1997.
NICOLAOU. Stéphane. Santos Dumont – Dandy et Génie de l’Aéronautique. Le Bourget : Musée de l’Air et de l’Espace, 1997.
NOGUEIRA, Salvador. Conexão Wright – Santos Dumont : a verdadeira história da invenção do avião. Rio de Janeiro : Record, 2006.
PAQUIER, Pierre. Santos Dumont – Maître d’action. Paris : Conquistador, 1952.
PEYREY, François. Les oiseaux artificiels. Paris: H. Dunod et E. Pinat, 1909.
POLILLO, Raul de. Santos Dumont gênio. Sâo Paulo: Companhia Editora Nacional, 1950.
Salvador Nogueira. 2006. Conexão Wright Santos–Dumont, Editora Record, São Paulo, 360p.
Freire Gilson T. 2006 , O Icaro Redimido, historia de santos dumont explicada pelo plano espiritual narrada pelo espírito adamastor, ed.itapua 496p

Televisão digital no Brasil


A televisão digital no Brasil remete à implementação do sistema digital de televisão no Brasil que, entre 2006 e 2007, se definiu de maneira significativa, apesar das polêmicas quanto ao padrão adotado e alguns impasses ainda pendentes.

A primeira transmissão oficial de sinal de TV digital no Brasil ocorreu em 2 de dezembro de 2007, às 21h20, na Sala São Paulo, na cidade de São Paulo. A solenidade reuniu mais de 2000 pessoas e contou com a presença do presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e de grandes empresários do setor.

A partir de maio de 2008, teve início a campanha de popularização da televisão digital brasileira, que incluía demonstrações em pontos de grande circulação.[1]

Apesar de várias cidades em quatro das cinco regiões do Brasil e suas respectivas já possuírem transmissão digital antes da expectativa inicial, o ritmo de instalação do sistema ainda é lento.[2]Índice  [esconder]
1 Primórdios
2 Modelos, sistemas e padrões de TV digital para o Brasil
2.1 Padrão ISDB-TB
3 Desenvolvimentos recentes
4 Datas da chegada da televisão digital às cidades brasileiras
4.1 Segundo semestre de 2007
4.2 Primeiro semestre de 2008
4.3 Segundo semestre de 2008
4.4 Primeiro semestre de 2009
4.5 Segundo semestre de 2009
4.6 Primeiro semestre de 2010
4.7 Segundo semestre de 2010
5 Quantidade de cidades com emissoras/retransmissoras digitais
6 Calendário
7 Medição de audiência
8 Número de canais da TV digital brasileira
9 Referências
10 Ligações externas

[editar]
Primórdios

O Brasil foi o único país emergente em que emissoras e indústrias de equipamentos financiaram parte dos testes de laboratório e de campo para comparar a eficiência técnica dos três padrões tecnológicos existentes para transmissão e recepção dos sinais.

Desde 1994, 17 emissoras de televisão e pouco mais de uma dezena de empresas interessadas criaram o grupo SET/Abert juntamente com a Universidade Mackenzie passaram a pesquisar os três sistemas de transmissão de TV Digital: o modelo ATSC americano, o modelo DVB europeu e o modelo ISDB japonês. Desde 1996, Goiás é um dos estados diretamente empenhados na corrida tecnológica para a implementação da televisão digital. O ano de 1996 também ficou marcado pela chegada da DirecTV, primeiro sistema de TV digital no país, porém pago e inacessível à maioria da população. No final daquele ano chegou a SKY para competir nesse mercado. Em 1998 foram iniciados os trabalhos do primeiro consórcio técnico com a Universidade Mackenzie, que resultou nos primeiros testes de laboratório e de campo que duraram seis meses: entre agosto de 1999 e março de 2000.

O governo federal criou 22 consórcios técnicos envolvendo 106 universidades públicas e privadas brasileiras, institutos de pesquisa e empresas privadas. Cerca de R$60 milhões do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações foram aplicados para a criação de inovações brasileiras, incluindo o aperfeiçoamento de equipamentos e tecnologias e de softwares nacionais.

Em 2003 o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou o Decreto n.º 4.901, que criou o Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre, ou SBTVD, e o Comitê de Desenvolvimento, responsável pela sua implementação. Após o término da primeira fase de estudos em 2006, o presidente Lula assinou o decreto de n.º 5.820 que criou Fórum do Sistema Brasileiro de TV Digital Terrestre, responsável por padronizar e harmonizar as tecnologias nacionais, desenvolvidas pelas universidades e centros de pesquisas brasileiros, com a tecnologia da ARIB (Association of Radio Industries and Businesses) do Japão e outras.
[editar]
Modelos, sistemas e padrões de TV digital para o Brasil

Para compreender alguns dos impactos sociais, culturais, políticos, econômicos e tecnológicos é importante diferenciar alguns pontos:
O modelo de televisão digital incorpora a visão de longo prazo e o conjunto de políticas públicas. O modelo deve articular todas as iniciativas, atividades e ações relacionadas à questão. O modelo define as condições de contorno para o estabelecimento do sistema e respectiva definição do padrão.
O sistema de televisão digital é o conjunto de toda a infraestrutura e atores (concessionárias, redes, produtoras, empresas de serviços, ONGs, indústrias de conteúdo e de eletroeletrônicos).
O padrão de televisão digital é o conjunto de definições e especificações técnicas necessárias para a correta implementação e implantação do sistema a partir do modelo definido.

Atualmente existem diferentes modelos, sistemas e padrões de TV Digital no mundo. No Brasil, a definição final do padrão adotado dependeu da harmonização de um modelo (arcabouço legal e institucional) e de diferentes sistemas (tecnologias de software e hardware). A legislação brasileira foi bastante flexível com relação a portabilidade da televisão digital no Brasil, permitindo a sua utilização nos mais variados dispositivos.
[editar]
Padrão ISDB-TBEspecificações tecnicas do padrão ISDB-TB
Aplicações    EPG, t-GOV, t-COM, Internet
Middleware    Ginga
Compressão de áudio    MPEG-4 AAC 2.0 , 5.1 canais
Compressão de vídeo    MPEG-4 H.264
HDTV/1080i (1920 colunas por 1080 linhas entrelaçadas, 16:9)
HDTV/720p (1280 colunas por 720 linhas progressivas, 16:9)
SDTV/480p (720 colunas por 480 linhas progressivas, 4:3)
LDTV/1SEG (320 colunas por 240 linhas, 4:3)
Transporte    MPEG-2 TS
Modulação    COFDM dividido em 13 segmentos da portadora de 6 MHz

Ver artigo principal: ISDB-TB

O padrão de televisão digital adotado no Brasil é o ISDB-TB, uma adaptação do ISDB-T (Integrated Services Digital Broadcasting Terrestrial), padrão japonês acrescida de tecnologias desenvolvidas nas pesquisas das universidades brasileiras.

O padrão japonês foi escolhido, conforme dito anteriormente, por atender melhor as necessidades de energia nos receptores, mobilidade e portabilidade sem custo para o consumidor, diferente do padrão europeu (DVB-T), onde esta operação é tarifada pelas empresas telefônicas. A principal diferença constatada inicialmente após a decisão de se adotar o padrão japonês para ser utilizado na televisão digital brasileira, em junho de 2006, foi a substituição do formato de compressão MPEG-2 para o MPEG-4.

O formato ISDB-TB também permite, além da transmissão em alta definição, a transmissão em multiprogramação, onde é possível transmitir, no lugar de um único programa em alta definição, oito programas diferentes simultaneamente em definição padrão (720 × 480 pixels, a mesma do DVD). Para comparar, a televisão analógica, por ter perdas na transmissão pelo ar, chega a no máximo 333 × 480. Com o codec H.264 do formato MPEG-4, será possível transmitir até 2 canais HD (1080i), 4 Canais HD (720p) e/ou 8 SD (480p) pela mesma transmissora.
[editar]
Desenvolvimentos recentes

Alguns desenvolvimentos recentes merecem destaque. Um deles é o middleware Ginga, camada de software intermediário open source que permite o desenvolvimento de aplicações NCL interativas para a TV Digital de forma independente da plataforma de hardware dos fabricantes de terminais de acesso (set-top-boxes).

Resultado de anos de pesquisas lideradas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), o Ginga reúne um conjunto de tecnologias e inovações brasileiras que o tornam a especificação de middleware mais avançada e, ao mesmo tempo, mais adequada à realidade do país.

O Ginga pode ser dividido em dois subsistemas principais, que permitem o desenvolvimento de aplicações seguindo dois paradigmas de programação diferentes. Dependendo das funcionalidades requeridas no projeto de cada aplicação, um paradigma possuirá uma melhor adequação que o outro.

Outro avanço importante foi a aprovação do contrato que dá início a fabricação do primeiro chip nacional para a TV Digital. A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) destinou recursos não-reembolsáveis do Funtec, no valor R$ 14,6 milhões [3] para a União Brasileira de Educação e Assistência (UBEA) da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e o Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (CEITEC) vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Também participam do projeto a empresa Telavo Digital que apoiou a pesquisa e o design do chip e o Instituto Ábaco, de Campinas, SP, responsável pelo hardware do projeto. O chip criado pela PUC-RS e pelo Ceitec atenderá aos três sistemas de modulação para transmissão de TV Digital internacionalmente reconhecidos.
[editar]
Datas da chegada da televisão digital às cidades brasileiras

Nota: Esta seção elenca a data da chegada da primeira – ou das primeiras, se a chegada for simultânea – emissora digital de cada cidade. Portanto, não se deve incluir emissoras que chegaram depois. Tal informação cabe somente em artigos sobre a história da televisão em cada cidade ou estado, tais como este e este.
[editar]
Segundo semestre de 2007

O início da televisão digital deu-se, tal qual o início da televisão no Brasil (no ano de 1950), em apenas uma região: São Paulo e boa parte de sua região metropolitana.
2 de dezembro: todas as principais emissoras locais de São Paulo (TV Cultura, Rede Globo, Band, SBT, Record, RedeTV! e TV Gazeta), numa cerimônia conduzida por autoridades, tais como o Presidente da República e o ministro das Comunicações, iniciaram juntas as transmissões digitais oficialmente às 20:30 daquele dia.[4]
[editar]
Primeiro semestre de 2008

Quando a Televisão Digital foi inaugurada em São Paulo, imaginava-se que ela chegaria ao Rio entre fevereiro e março. O que aconteceu é que essa inauguração foi adiada para meados de abril. Tanto em Belo Horizonte quanto no Rio, os testes das emissoras começariam 15 de abril e as transmissões iniciariam formalmente em 25 de abril de 2008. Entretanto, as emissoras realizaram os testes de seus sinais independentemente uma da outra. A RedeTV! antecipou-se à Rede Globo e iniciou as transmissões digitais na capital mineira em 7 de abril, e na capital fluminense a 8 de abril,[5] fazendo com que elas fossem a segunda e a terceira metrópole brasileira a receber e transmitir os sinais, respectivamente.
7 de abril: a RedeTV! de Belo Horizonte adiantou seu projeto o suficiente para lançar sozinha (e com surpresa) a televisão na capital mineira [6] antes da própria Rede Globo, que só veio a iniciar as transmissões em 25 de abril.[5][7]
8 de abril: a RedeTV! do Rio de Janeiro iniciou suas transmissões digitais no dia seguinte.[5] A Rede Globo só iniciou as suas transmissões digitais em 16 de junho de 2008 (mais de dois meses depois) por motivos desconhecidos.[8]
[editar]
Segundo semestre de 2008

Neste semestre, várias afiliadas da Rede Globo iniciaram as transmissões digitais, sendo por um bom tempo as únicas a fazê-lo. A primazia entre as afiliadas coube à TV Anhanguera de Goiânia, que começou antes de outras cidades que se julgavam aptas para começar antes, assim como também foi a pioneira na Região Centro-Oeste. Nesta época, também deu-se o início da expansão para a Região Sul, através da RBS TV de Florianópolis e a Região Nordeste, com a TV Bahia de Salvador. No início de dezembro, a EPTV de Campinas passou a ser a primeira afiliada no interior com transmissão definitiva em digital.
4 de agosto: a TV Anhanguera de Goiânia foi a primeira afiliada da Rede Globo a iniciar oficialmente a sua transmissão digital;
22 de outubro: a RPC TV de Curitiba inaugurou o sinal digital e se tornou a primeira emissora da Região Sul do Brasil a fazê-lo.
4 de novembro: a RBS TV de Porto Alegre inaugurou o sinal digital na capital gaúcha, sendo a segunda emissora da Região Sul a fazê-lo.
1 de dezembro: a TV Bahia, em Salvador canal físico 29, virtual 11.1 inaugura as transmissões digitais no nordeste brasileiro, a fase de teste teve início em 12 de novembro de 2008 às 14 horas e 30 minutos [9].
3 de dezembro: a EPTV de Campinas começa as transmissões digitais, sendo a primeira afiliada sediada fora das capitais a entrar na era digital.[10]
16 de dezembro: a TV Centro América de Cuiabá foi a primeira a começar as transmissões digitais no estado de Mato Grosso.[11]
[editar]
Primeiro semestre de 2009

Neste semestre, a TV digital continuou a sua expansão por mais estados brasileiros, atingindo todas as capitais da Região Centro-Oeste, Região Sudeste e Região Sul, com o início das transmissões de algumas filiadas (tais como a TV Globo Brasília) e várias afiliadas de outras redes que não a Globo, tais como a TV Vitória, afiliada da Record, em fevereiro e a TV Cidade Verde e a TV Jornal, afiliadas do SBT, em março e maio, respectivamente. Em meados de março, a Rede Integração de Uberlândia tornou-se a primeira afiliada do interior mineiro com transmissão definitiva em digital. Vitória teve o início simultâneo de uma afiliada da Record e de uma afiliada da Globo.
5 de fevereiro: a RBS TV de Florianópolis, tornou-se a primeira emissora no estado de Santa Catarina a começar em definitivo as transmissões digitais, após ter em com transmissões em caráter experimental desde 2008.[12]
9 de fevereiro: a TV Vitória (afiliada da Rede Record) e a TV Gazeta (afiliada da Rede Globo) de Vitória, foram as primeiras emissoras no estado do Espírito Santo a iniciar definitivamente as transmissões digitais.[13]
16 de março: a Rede Integração de Uberlândia, afiliada da Rede Globo, iniciou a transmissão digital em caráter definitivo.[14]
18 de março: a Rede Vida de São José do Rio Preto às 16:00 iniciou sua transmissão digital definitiva em sua geradora.[15]
23 de março: a TV Cidade Verde de Teresina, afiliada do SBT, iniciou a transmissão digital em definitivo nessa data, sendo a terceira no Nordeste e a primeira afiliada do SBT.[15]
30 de março: a TV Tribuna de Santos em São Paulo, afiliada da Rede Globo, iniciou a transmissão digital em caráter definitivo.[16]
22 de abril: a TV Globo iniciou suas transmissões digitais nesse dia, um dia depois do aniversário da Brasília. A TV Globo é a primeira emissora comerccial a transmitir o sinal digital do Distrito Federal em caráter definitivo.[17]
4 de maio: a TV Morena de Campo Grande, afiliada da Rede Globo, iniciou em definitivo suas transmissões digitais, que já eram feitas em caráter experimental desde 2008.[18]
11 de maio: a TV Verdes Mares, afiliada da Rede Globo em Fortaleza, torna-se oficialmente a primeira emissora do Ceará a lançar o sinal digital.[19]
27 de maio: a TV Jornal do Recife, afiliada do SBT, lança oficialmente seu sinal digital (o sinal de testes já era transmitido desde 14 de abril), tornando-se a quinta capital do Nordeste a ter sinal de alta definição.[20]
17 de junho: a TV Cabo Branco de João Pessoa, afiliada da Rede Globo, recebe a autorização para passar a transmitir oficialmente seu sinal digital (o sinal de testes já era transmitido desde 22 de fevereiro), tornando-se a sexta capital do Nordeste a ter sinal de alta definição.[21]
[editar]
Segundo semestre de 2009

Na parte final de 2009, a televisão digital continuou sua expansão pelo Brasil. Exceto pela cidade de Aracaju, que passou a ter transmissões definitivas de uma afiliada da Rede Record e da TV Canção Nova, todas as demais cidades tiveram início com afiliadas da Rede Globo. A TV digital começou sua expansão pela Região Norte, nas cidades de Belém (TV Liberal) e de Manaus (TV Amazonas). O interior paulista teve mais duas cidades: Sorocaba (TV TEM) e Ribeirão Preto (EPTV), além da geradora da Record News em Araraquara. Também houve o início da primeira cidade do interior catarinense: Joinville (RBS). Na Região Nordeste, além de Aracaju, mais uma capital teve o início das transmissões definitivas: São Luís, com a TV Mirante.
27 de julho: a TV TEM de Sorocaba, afiliada da Rede Globo, iniciou as transmissões digitais em definitivo,[22] após obter a concessão definitiva no dia 14 do mesmo mês[23]
31 de agosto: a TV Amazonas, afiliada da Rede Globo em Manaus, é a primeira emissora da Região Norte do Brasil e do Amazonas a iniciar em definitivo as transmissões digitais,[24] muito embora já houvesse transmissões experimentais[25] da Amazon Sat desde 2008.[26]
10 de setembro: a TV Liberal de Belém, afiliada da Rede Globo, tornou-se a primeira emissora do estado do Pará a iniciar em definitivo as transmissões digitais.[27]
1 de outubro: a EPTV de Ribeirão Preto, afiliada da Rede Globo, iniciou a transmissão digital definitiva.[28]
8 de outubro: a RBS TV de Joinville, afiliada da Rede Globo, iniciou a transmissão digital oficialmente, tornando-se a primeira emissora do interior catarinense a fazê-lo.[29]
17 de novembro: a TV Canção Nova e a TV Atalaia (afiliada da Record, cujo sinal era transmitido experimentalmente desde 22 de janeiro[30]), em Aracaju, passaram à transmissão definitiva do sinal digital, sendo as primeiras emissoras a fazê-lo no estado de Sergipe.[31]
20 de dezembro: a geradora da Record News, em Araraquara, iniciou as transmissões digitais em definitivo na cidade[32].
21 de dezembro: a TV Mirante de São Luís, afiliada da Rede Globo, em transmissão experimental desde 9 de dezembro, passa a operar a transmissão digital em caráter definitivo,[33] sendo a pioneira no estado do Maranhão.
[editar]
Primeiro semestre de 2010

Neste semestre, a televisão digital chegou a mais um estado: o Rio Grande do Norte. Também teve uma grande expansão por cidades do interior dos estados. A EPTV iniciou a transmissão efetiva em duas emissoras e 10 retransmissoras no interior dos estados de São Paulo e Minas Gerais; a TV Vanguarda, em duas afiliadas do lado paulista do Vale do Paraíba; a Rede Integração, em duas afiliadas no Triângulo Mineiro, a Band Prudente no oeste de São Paulo e a RPC TV de Londrina foi a pioneira no interior do Paraná. Com exceção da Band Prudente, filiada da Rede Bandeirantes, todas as demais emissoras e retransmissoras pioneiras em suas respectivas cidades são afiliadas da Rede Globo.
25 de fevereiro: a RPC TV de Londrina, afiliada da Rede Globo, passa a transmitir o sinal digital, Londrina é a segunda cidade do Paraná e a quinta da Região Sul a fazê-lo, atrás apenas de Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis e Joinville[34].
22 de março: a InterTV Cabugi de Natal, afiliada da Rede Globo, tornou-se a primeira emissora do estado do Rio Grande do Norte a iniciar em definitivo as transmissões digitais[35].
31 de maio: a EPTV de São Carlos, afiliada da Rede Globo, inicia as transmissões digitais em definitivo, sendo a terceira geradora da EPTV a fazê-lo[36]. Nesse mesmo dia, as retransmissoras da EPTV em Amparo, Barretos, Cravinhos, Franca, Indaiatuba, Limeira, Mogi Guaçu, Piracicaba e Sertãozinho[37] também iniciaram em definitivo as transmissões digitais, sendo as primeiras emissoras a fazê-lo em suas respectivas regiões[38].
1 de junho: as geradoras da TV Vanguarda, afiliada da Rede Globo em São José dos Campos e Taubaté iniciaram as transmissões digitais, sendo o Rede Vanguarda o primeiro canal digital no Vale do Paraíba[39].
8 de junho: a Rede Integração, afiliada da Rede Globo, iniciou as transmissões digitais nas cidades de Uberaba e Ituiutaba[40]. No mesmo dia, a EPTV do Sul de Minas, afiliada da Rede Globo, inicia suas transmissões digitais em definitivo para a geradora em Varginha e para a retransmissora de Poços de Caldas, sendo o primeiro canal a transmitir sua programação em caráter digital para a região do Sul e Sudoeste Mineiro[41].
11 de junho: Band Prudente, filial da Rede Bandeirantes em Presidente Prudente, iniciou oficialmente as transmissões digitais, sendo a Band a primeira emissora a iniciar as transmissões digitais no Oeste Paulista[42].
[editar]
Segundo semestre de 2010
20 de outubro: TV Candelária, filial da Rede Record em Porto Velho, iniciou oficialmente as transmissões digitais, sendo a TV Candelária a primeira emissora de Rondônia a iniciar a transmissão digital, na frente das demais emissoras – Globo, RedeTV e SBT[carece de fontes].
[editar]
Quantidade de cidades com emissoras/retransmissoras digitaisSemestre    Ano    Cidades    Ud. federativas
2° semestre    2007    1    1
1º semestre    2008    3    3
2° semestre    2008    9    8
1° semestre    2009    20    16
2° semestre    2009    28    19
1° semestre    2010    47    20

[editar]
Calendário
Início previsto das transmissões da TV digital no Brasil através de freqüências UHF[43][44]2007
Mês    Estado    Cidade
Dezembro     São Paulo    São Paulo
2008
    Estado    Cidade
Abril     Minas Gerais    Belo Horizonte
Rio de Janeiro    Rio de Janeiro
Agosto     Goiás    Goiânia
Outubro     Pará    Belém
Paraná    Curitiba
Piauí    Teresina
Novembro     Alagoas    Maceió
Rio Grande do Norte    Natal
Rio Grande do Sul    Porto Alegre
Dezembro     Bahia    Salvador
Mato Grosso    Cuiabá
São Paulo    Campinas
2009
    Estado    Cidade
Janeiro     São Paulo    Santos
Sergipe    Aracaju
São Paulo    Ribeirão Preto
Roraima    Boa Vista
Santa Catarina    Florianópolis
Amapá    Macapá
Rondônia    Porto Velho
Acre    Rio Branco
Mato Grosso do Sul    Campo Grande
Fevereiro     Paraíba    João Pessoa
Minas Gerais    Uberlândia
Espírito Santo    Vitória
Amazonas    Manaus
Ceará    Fortaleza
Pernambuco    Recife
São Paulo    São Carlos
Março     São Paulo    São José do Rio Preto
Abril     Maranhão    São Luis
São Paulo    Pirassununga
São Paulo    São José dos Campos
São Paulo    Taubaté
Minas Gerais    Ituiutaba
São Paulo    Araraquara
Distrito Federal    Brasília
Maio     Bahia    Feira de Santana
São Paulo    Itapetininga
São Paulo    Sorocaba
São Paulo    Presidente Prudente
São Paulo    Bauru
Rio de Janeiro    Campos dos Goytacazes
Paraná    Londrina
Minas Gerais    Juiz de Fora
Santa Catarina    Joinville
Paraíba    Campina Grande
Rio Grande do Sul    Caxias do Sul
São Paulo    Franca
São Paulo    Rio Claro
As geradoras das demais cidades
2010
2011
Retransmissoras nas capitais e Distrito Federal
2012
2013
O sinal estender-se-á a todo o território nacional.
2014
2015
29 de junho de 2016
Fim das transmissões de televisão por sinal analógico.

[editar]
Medição de audiência

Com a chegada do novo sistema de transmissão, é necessária também uma nova forma de se medir a audiência televisiva das emissoras. Para isso, o Ibope, maior instituto de pesquisa desta área do país, adotará o aparelho DIB 6,[45] nova versão do aparelho medidor DIB 4, utilizado na forma de medição de televisão analógica People Meter. De acordo com o Ibope, esta tecnologia permite conhecer também a preferência dos telespectadores no computador e no celular através de um software instalado nos mesmos.[45] Os testes da nova tecnologia começaram em 2007 e a previsão é que a nova tecnologia de medição esteja implementada em 2009.
[editar]
Número de canais da TV digital brasileira
Ver página anexa: Lista de canais da televisão digital brasileira
Referências
↑ Relançamento da TV digital terá “degustação”, diz “Outro Canal” Folha Online – visitado em 20 de março de 2008.
↑ TV digital completa um ano no Brasil, mas somente 0,5% da população tem acesso UOL Tecnologia – Acesso em 15 de dezembro de 2008
↑ “BNDES aprova recursos para criação do primeiro chip nacional para TV Digital” BNDES 15/02/2007
↑ Confira os bastidores da estréia da TV digital em São PauloAcesso em 18 de junho de 2009
↑ a b c Televisão Digital é antecipada em Belo Horizonte Terra – visitado em 11 de abril de 2008.
↑ Televisão Digital chega à Belo Horizonte e ao Rio de Janeiro através da RedeTV! UOL ComputerWorld – visitado em 11 de abril de 2008.
↑ RedeTV! deixa as outras emissoras para trás. Info Online – visitado em 11 de abril de 2008.
↑ Globo inicia transmissões no Rio EPTV – visitado em 16 de junho de 2008.
↑ Globo passa a transmitir sinal digital na Bahia G1 – visitado em 1 de dezembro de 2008.
↑ Campinas será a primeira cidade com TV digital longe das capitais visitado em 2 de dezembro de 2008
↑ TV digital chega a MT em 16 de dezembro visitado em 15 de dezembro de 2008
↑ RBS TV é a primeira emissora a exibir programação em HD visitado em 5 de fevereiro de 2009
↑ [rd1audienciadatv.wordpress.com/2009/02/08/record-e-globo-lancam-tv-digital-em-vitoria/ Record e Globo lançam TV Digital em Vitória] visitado em 6 de agosto de 2009
↑ – TV Digital chega a Uberlândia visitado em 16 de março de 2009
↑ a b Sinal da TV Digital chega a mais 5 cidades brasileiras em março visitado em 8 de março de 2009
↑ TV Tribuna lança sinal digital em 30 de março
↑ Rede Globo inicia transmissão digital em Brasília visitado em 21 de abril de 2009
↑ Ministro das Comunicações vem a MS para lançamento da TV Digital Acessado em 22 de abril de 2009.
↑ SBTVD: Fortaleza inicia as transmissões Acessado em 12 de maio de 2009.
↑ Ministro oficializa emissão da TV Jornal Digital Acessado em 27 de maio de 2009
↑ Ministro assina autorização do canal digital da TV Cabo Branco Acessado em 17 de junho de 2009
↑ TV TEM recebe autorização para operar em sistema digitalAcessado em 20 de julho de 2009.
↑ PC WORLD – TV Digital chega aos municípios paulistas de Sorocaba e Mogi das Cruzes Acessado em 16 de julho de 2009.
↑ TV Amazonas inaugura transmissão em TV Digital Portal Amazônia.com, acesso em 1 de setembro de 2009.
↑ Estações de Canais de TV Consignados – última atualização 31/08/09 ANATEL, acesso em 10 de setembro de 2009.
↑ Cf. a primeira nota da seção “31 de agosto”.
↑ Festa marca a implantação definitiva do sistema digital TV Liberal, 09/09/09, acesso em 10 de setembro de 2009.
↑ EPTV Ribeirão lança TV Digital nesta quinta-feira EPTV.com, 30/09/2009, acesso em 1 de outubro de 2009.
↑ RBS TV Joinville inaugura era de imagens e som em alta definição na região Norte de SC Diário Catarinense, 08/10/2009, acesso em 13 de outubro de 2009
↑ Governador participa do lançamento da TV Atalaia 100% Digital visitado em 25 de janeiro de 2009
↑ TV Digital chega a Aracaju Ministério das Comunicações, acesso em 17 de novembro de 2009.
↑ R7 (20/12/2009). Record News inaugura sinal digital em Araraquara. Página visitada em 31/05/2010.
↑ TV Mirante já opera em definitivo com o sinal digital Imirante.com, 22/12/2009, acesso em 23 de dezembro de 2009.
↑ TV Coroados inicia transmissão digital em Londrina Gazeta do Povo, 25 fev. 2010, acesso em 4 de março de 2010.
↑ Admin (17 de março de 2010). Inter Tv Cabugi inaugura TV Digital em Natal RN. Página visitada em 22 de março de 2010.
↑ EPTV (31/05/2010). EPTV lança sinal digital em São Carlos e Araraquara nesta segunda e estreia com o Jornal da EPTV, às 12h15. Página visitada em 31/05/2010.
↑ EPTV (28/05/2010). Sinal digital avança na EPTV. 28/05/2010. Página visitada em 31/05/2010.
↑ Araraquara também passou a ter retransmissora da EPTV, mas o primeiro canal digital da cidade a iniciar as transmissões digitais foi a Record News, em 20/12/2009
↑ VNews (01/06/2010). TV Vanguarda inaugura transmissão digital em São José dos Campos.. 01/06/2010. Página visitada em 02/06/2010.
↑ Graziela Christina de Oliveira (Mega Minas) (08/06/2010). Uberaba e Ituiutaba recebem sinal digital. 08/06/2010. Página visitada em 08/06/2010.
↑ Redação da EPTV (08/06/2010). Sinal digital chega à EPTV Sul de Minas. 08/06/2010. Página visitada em 08/06/2010.
↑ DTV.org.br (12/06/2010). Motivada pela Copa do Mundo, Band inicia transmissão digital em dez emissoras. 11/06/2010. Página visitada em 12/06/2010.
↑ “O que é TV digital e quando ela chega à minha cidade” UOL Tecnologia 30/11/2007
↑ “Transmissor de TV digital chega em Uberlândia” Rede Integração 26/12/2008
↑ a b Novo sistema de medição do Ibope vai monitorar conteúdo da TV digital WNews – 4 de dezembro de 2007
[editar]
Ligações externas
Página oficial da TV Digital no Brasil
Último Segundo – Artigo: o padrão nacional que o ministro descarta
A escolha do padrão é uma inversão inaceitável
Padrão japonês de TV digital prejudica tecnologia brasileira, diz pesquisador
O fato consumado da TV Digital
Escolha da TV digital promoveu desenvolvimento de tecnologia brasileira
Ministro anuncia TV Digital com software livre brasileiro
Governo anuncia financiamento para chip nacional da TV Digital
TV Digital Livre: Lançamento do midleware Ginga Brasil em GPL será dia 03/07, no Congresso da SBC[Esconder]
v • e
Televisão no Brasil
História • Teledramaturgia • Televisão digital • Programas • Profissionais de televisão • Emissoras

QUEM criou o GOOgle


   google      Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nota: Este artigo é sobre a empresa Google. Para o motor de busca, veja Google Search.

Coordenadas: 37º 25′ 20″ N, 122º 05′ 04″ WGoogle
Google Inc.

Logotipo do Google
Slogan    “Don’t be evil” [1]
(em Inglês)

“Não seja mau” [2]
(em Português)
Tipo    Empresa privada
Sociedade anônima
Fundação    4 de setembro de 1998 em
Menlo Park, San Mateo, CA,
Estados Unidos
Sede    Googleplex, Mountain View,
Condado de Santa Clara,
CA,  Estados Unidos
Áreas servidas     Mundo
Fundador(es)    Larry Page e Sergey Brin
Presidente    Eric Schmidt
Pessoa(s) chave    Larry Page
(Diretor executivo)

Sergey Brin
(Co-fundador)
Empregados    26 316 (2011)[3]
Indústria    Internet e Software
Produtos    Lista de ferramentas e serviços do Google
Subsidiária(s)    DoubleClick, Google Voice,
Picnik, YouTube, Aardvark,
AdMob, On2 Technologies, Android e Motorola
Cotação    BOVESPA: GOOG11B
NASDAQ: GOOG
NYSE: GOOG
FWB: GGQ1
Valor de mercado    ▲ US$ 147.546 bilhões (2010)[4]
Lucro    ▲ US$ 8.505 bilhões (2010)[5]
LAJIR    ▲ US$ 10.381 bilhões (2010)[5]
Faturamento    ▲ US$ 29.321 bilhões (2010)[5]
Renda líquida    ▲ US$ 46.241 bilhões (2010)[5]
Website    Google.com

Google Inc. (NASDAQ: GOOG)[6] (Google)[7] é uma empresa multinacional de serviços online e software dos Estados Unidos. O Google hospeda e desenvolve uma série de serviços e produtos baseados na internet e gera lucro principalmente através da publicidade pelo AdWords.[8][9] A empresa foi fundada por Larry Page e Sergey Brin, muitas vezes apelidados de “Google Guys”,[10][11][12] enquanto os dois estavam frequentando a Universidade Stanford como estudantes de doutoramento. Foi fundada como uma empresa privada em 4 de setembro de 1998 e sua oferta pública inicial foi realizada em 19 de agosto de 2004. A missão declarada da empresa desde o início foi “organizar a informação mundial e torná-la universalmente acessível e útil”[13] e o slogan da empresa foi inventado pelo engenheiro Paul Buchheit, é “Don’t be evil” em inglês e “Não seja mau” em português.[1][2][14] Em 2006, a empresa mudou-se para sua atual sede, em Mountain View, Condado de Santa Clara no estado da Califórnia.

O Google é executado através de mais de um milhão de servidores em data centers ao redor do mundo[15] e processa mais de um bilhão de solicitações de pesquisa[16] e vinte petabytes de dados gerados por usuários todos os dias.[17][18][19] O rápido crescimento do Google desde sua incorporação culminou em uma cadeia de outros produtos, aquisições e parcerias que vão além do núcleo inicial como motor de buscas. A empresa oferece softwares de produtividade online, como o software de e-mail Gmail, e ferramentas de redes sociais, incluindo o Orkut e, mais recentemente, o Google Buzz e o Google+. Os produtos do Google se estendem à área de trabalho, com aplicativos como o navegador Google Chrome, o programa de organização de edição de fotografias Picasa e o aplicativo de mensagens instantâneas Google Talk. Notavelmente, o Google também lidera o desenvolvimento do sistema operacional móvel para smartphones Android, usado em celulares como o Nexus One e o Motorola Droid. O Alexa classifica o Google como o website mais visitado do mundo.[20] O Google também foi classificado pela revista Fortune como o quarto melhor lugar do mundo para se trabalhar[21] e como a marca mais poderosa no mundo pela BrandZ.[22] A posição dominante no mercado dos serviços do Google levou a críticas da sociedade sobre assuntos como privacidade, direitos autorais e censura.[23][24]Índice  [esconder]
1 História
1.1 Financiamento e oferta pública inicial
1.2 Crescimento
1.3 Aquisições e parcerias
1.4 Mudanças na gestão
2 Produtos e serviços
2.1 Publicidade
2.2 Motor de busca
2.3 Ferramentas de produtividade
2.4 Produtos corporativos
2.5 Outros produtos
3 Assuntos corporativos e cultura
3.1 Empregados
3.2 Googleplex
3.3 Ovos de páscoa, brincadeiras de 1º de abril e “doodles”
3.4 Filantropia
3.5 Neutralidade da rede
3.6 Privacidade
4 Ver também
5 Referências
6 Ligações externas

História
 
A página original do Google (1998) tinha um desenho simples, já que seus fundadores não tinham experiência em HTML, a linguagem para páginas de web design.[25]

O Google começou em janeiro de 1996 como um projeto de pesquisa de Larry Page e Sergey Brin, quando ambos eram estudantes de doutorado na Universidade Stanford, na Califórnia, Estados Unidos.[26]

Enquanto os motores de busca convencionais exibiam resultados classificados pela contagem de quantas vezes os termos de busca apareciam na primeira página, os dois teorizaram sobre um sistema melhor que analisava as relações entre os sites.[27] Eles chamaram esta nova tecnologia PageRank, onde a relevância de um site era determinada pelo número de páginas, bem como pela importância dessas páginas, que ligavam de volta para o site original.[28][29]

Um pequeno motor de busca chamado “RankDex” da IDD Information Services, projetado por Robin Li, desde 1996, já explorava uma estratégia semelhante para pontuação e classificação de páginas.[30] A tecnologia do RankDex seria patenteada[31] e usada mais tarde por Li, quando fundou a Baidu na China.[32][33]

Page e Brin originalmente apelidaram de sua nova ferramenta de busca de “BackRub”, porque o sistema de checava backlinks para estimar a importância de um site.[34][35][36]

Eventualmente, eles mudaram o nome para o Google, proveniente de um erro ortográfico da palavra “googol”,[37][38] o número um seguido por cem zeros, que foi criado para indicar a quantidade de informação que o motor de busca podia processar.[39] Originalmente, o Google funcionou sob o site da Universidade Stanford, com o domínio google.stanford.edu, com os direitos de autor mencionados à universidade no final de sua página à epoca.[40]

O nome de domínio “Google” foi registrado em 15 de setembro de 1997[41] e a empresa foi constituída em 4 de setembro de 1998. No início, sua sede ficava na garagem de uma amiga (Susan Wojcicki[26]) em Menlo Park, Califórnia. Craig Silverstein, um colega de doutorado estudante em Stanford, foi contratado como o primeiro funcionário.[26][42][43]
Financiamento e oferta pública inicial
 
A primeira iteração de servidores de produção do Google foi construída com um hardware de baixo custo.[44]

O primeiro financiamento para o Google foi uma contribuição de US$ 100.000 em agosto 1998 de Andy Bechtolsheim, co-fundador da Sun Microsystems, dada antes do Google ter sido incorporado.[45] No início de 1999, quando ainda eram estudantes de graduação, Brin e Page decidiram que o motor de busca que eles tinham desenvolvido tomava muito do seu tempo a partir de pesquisas acadêmicas. Eles foram ao CEO da Excite, George Bell, e se ofereceram para comprá-la por US$ 1 milhão. Ele rejeitou a oferta e, posteriormente, criticou Vinod Khosla, um dos capitalistas de risco da Excite, depois de ter negociado com Brin e Page um valor abaixo de US$ 750.000. Em 7 de junho de 1999, uma rodada de 25 milhões dólares de financiamento foi anunciada,[46] com os investidores importantes, incluindo as empresas de capital de risco Kleiner Perkins Caufield & Byers e a Sequoia Capital.[45]

A oferta pública inicial (IPO) do Google ocorreu cinco anos depois, em 19 de agosto de 2004. A empresa ofereceu 19 605 052 partes a um preço de 85 dólares por ação.[47][48] As ações foram vendidas em um leilão online usando um sistema construído pela Morgan Stanley e Credit Suisse, os subscritores do acordo.[49][50] A venda de 1,67 bilhões dólares deu ao Google uma capitalização de mercado de mais de US$ 23 bilhões.[51] A grande maioria das 271 milhões ações permaneceram sob o controle do Google e muitos funcionários do Google se tornaram milionários de imediato. Yahoo!, um concorrente do Google, também se beneficiou, pois possuía 8,4 milhões de ações do Google antes da IPO.[52]

Algumas pessoas especularam que a IPO do Google, inevitavelmente, trouxe mudanças na cultura da empresa. Razões variam desde a pressão dos acionistas para a redução de benefícios dos empregados ao fato de que muitos executivos da empresa se tornariam milionários de imediato.[53] Como resposta a esta preocupação, os co-fundadores Sergey Brin e Larry Page, prometeram, em um relatório a investidores potenciais, que a IPO não iria alterar a cultura da companhia.[54] Em 2005, porém, artigos no The New York Times e outras fontes começaram a sugerir que o Google tinha perdido a sua filosofia anti-corporativa, sem mal (Don’t be evil ).[55][56][57] Em um esforço para manter a cultura única da empresa, o Google designou um Escritório Chefe de Cultura, que também trabalha como diretor de Recursos Humanos. O objetivo desse escritório é desenvolver e manter a cultura da companhia e trabalhar em maneiras de manter fiel aos valores em que a empresa foi fundada: uma organização plana, com um ambiente de colaboração.[58] O Google também tem enfrentado acusações de sexismo e de discriminação etária de seus ex-funcionários.[59][60]

O desempenho das ações após a IPO foi bom, com quotas a bater os 700 dólares pela primeira vez em 31 de outubro de 2007,[61] principalmente por causa das fortes vendas e dos lucros no mercado de publicidade online.[62] O aumento no preço das ações foi impulsionado principalmente por investidores individuais, ao contrário de grandes investidores institucionais e fundos mútuos.[62] A empresa está listada na bolsa de valores NASDAQ sob o símbolo GOOG e sob a Bolsa de Valores de Frankfurt com o símbolo GGQ1.
Crescimento
 
Googleplex, em Mountain View, Califórnia, a sede da empresa.

Em março de 1999, a empresa mudou sua sede para Palo Alto, Califórnia, lar de várias outras importantes startups de tecnologia do Vale do Silício.[63] No ano seguinte, contra a oposição inicial de Page e Brin para um motor de busca financiado por anúncios,[64] o Google começou a vender anúncios associados a palavras-chave de busca.[26] A fim de manter um projeto organizado da página e aumentar a velocidade, as propagandas eram exclusivamente baseadas em texto. Palavras-chave foram vendidas com base em uma combinação de propostas de preços e cliques nos anúncios, com lances a partir de cinco centavos por clique.[26] O pioneiro deste modelo de venda de publicidade por palavra-chave foi o Goto.com, spin-off do Idealab, criado por Bill Gross.[65][66] Quando a empresa mudou de nome para Overture Services, processou o Google por alegadas violações das patentes do pay-per-click e de licitações. A Overture Services viria a ser comprado pelo Yahoo! e renomeado Yahoo Search Marketing. O caso foi então resolvido fora do tribunal, concordando com o Google para a emissão de ações ordinárias para o Yahoo! em troca de uma licença perpétua.[67]

Durante este tempo, o Google conseguiu uma patente descrevendo seu mecanismo de PageRank.[68] A patente foi oficialmente atribuída a Universidade de Stanford e classificou Lawrence Page como seu inventor. Em 2003, após superando dois outros locais, a empresa arrendou seu atual complexo da Silicon Graphics na 1600 Amphitheatre Parkway, em Mountain View, Califórnia.[69] O complexo tem sido, desde então, conhecido como o Googleplex, uma brincadeira com a palavra googolplex, o número um seguido de um googol zeros. Três anos depois, o Google iria comprar a propriedade da SGI por US$ 319 milhões.[70] Nessa época, o nome “Google” encontrou seu caminho na linguagem cotidiana, fazendo com que o verbo “google” fosse adicionado ao Merriam Webster Collegiate Dictionary e ao Oxford English Dictionary, cujo significado era “usar o motor de busca Google para obter informações na Internet.”[71][72]
Aquisições e parcerias

Desde 2001, o Google adquiriu várias empresas, com destaque para pequenas empresas de capital de risco. Em 2004, o Google adquiriu a Keyhole, Inc.[73] A empresa start-up desenvolveu um produto chamado Earth Viewer, que dava uma visão 3-D da Terra. O Google renomeou o serviço para Google Earth, em 2005. Dois anos depois, o Google comprou o site de vídeos online YouTube por US$ 1,65 bilhões em ações.[74] Em 13 de abril de 2007, o Google chegou a um acordo para adquirir a DoubleClick por US$ 3,1 bilhões, dando ao Google relacionamentos valiosos que a DoubleClick teve com os editores da web e agências de publicidade.[75] Mais tarde, naquele mesmo ano, o Google adquiriu a GrandCentral por US$ 50 milhões.[76] O site mais tarde seria alterado para Google Voice. Em 5 de agosto de 2009, o Google comprou a sua primeira empresa pública, com a compra da fabricante de softwares de vídeo On2 Technologies por US$ 106,5 milhões.[77] O Google também adquiriu a Aardvark, um motor de busca de redes sociais, por US$ 50 milhões. Google comentou em seu blog interno, “estamos ansiosos para colaborar para ver onde podemos ir.”[78] E, em abril de 2010, o Google anunciou que tinha adquirido uma start-up de hardware, a Agnilux.[79]

Além das inúmeras empresas que o Google comprou, a empresa firmou parceria com outras organizações para tudo, desde pesquisa à publicidade. Em 2005, o Google fez uma parceria com o NASA Ames Research Center para construir 93.000 m² de escritórios.[80] Os serviços seriam usados para projetos de pesquisa envolvendo gestão de dados em grande escala, nanotecnologia, computação distribuída e indústria espacial empresarial. Mais tarde naquele ano, o Google firmou uma parceria com a Sun Microsystems, em outubro de 2005 para ajudar a compartilhar e distribuir outras tecnologias.[81] A empresa também fez uma parceria com a AOL, da Time Warner,[82] para aumentar outros serviços de busca de vídeo. As parcerias do Google em 2005 também incluiu o novo financiamento do domínio de topo .mobi para dispositivos móveis, juntamente com outras empresas, incluindo a Microsoft, Nokia e Ericsson.[83] O Google, mais tarde, lançou o “AdSense for Mobile”, aproveitando o mercado emergente de publicidade móvel.[84] Ampliando sua publicidade para chegar ainda mais longe, o Google e a Fox Interactive Media, da News Corp, entraram em um acordo de US$ 900 milhões para fornecer a busca e publicidade no popular site de redes sociais MySpace.[85]
 
Sede do YouTube em San Bruno, Califórnia. A empresa foi adquirida pela Google em outubro de 2006.[86]

Em outubro de 2006, o Google anunciou que havia adquirido o site de compartilhamento de vídeos YouTube por US$ 1,65 bilhão em ações do Google e o negócio foi concluído em 13 de novembro de 2006.[86] O Google não oferece números detalhados para os custos de funcionamento do YouTube e as receitas do YouTube em 2007 foram anotadas como “não materiais” em um arquivamento regulador.[87] Em junho de 2008, um artigo da revista Forbes projetou a receita do YouTube em US$ 200 milhões para 2008, registrando progressos na venda de publicidade.[88] Em 2007, o Google começou a patrocinar o NORAD Tracks Santa, um serviço que pretende acompanhar o progresso do Papai Noel na véspera de Natal,[89] usando o Google Earth para “acompanhar o Papai Noel”, pela primeira vez, em 3-D,[90] e deslocando a ex-patrocinadora da AOL. O YouTube criou um canal de vídeos para o NORAD Tracks Santa.[91]

Em 2008, o Google desenvolveu uma parceria com a GeoEye para lançar um satélite que fornece ao Google imagens com alta resolução (0,41 m monocromáticas, a cores 1,65 m) para o software Google Earth. O satélite foi lançado da Base da Força Aérea de Vandenberg em 6 de setembro de 2008.[92] O Google também anunciou em 2008 que estava hospedando um arquivo de fotografias da revista Life como parte de sua mais recente parceria. Algumas das imagens no arquivo nunca foram publicados na revista.[93] As fotos foram filigrana e originalmente havia postado avisos de direitos autorais em todas as fotos, independentemente do status de domínio público.[94]

Em 2010, o Google Energy fez seu primeiro investimento em um projeto de energia renovável, a colocação de 38,8 milhões dólares em dois parques eólicos na Dakota do Norte. A companhia anunciou que os dois locais vão gerar 169,5 megawatts de potência, ou o suficiente para abastecer 55.000 casas. As fazendas, que foram desenvolvidos pela NextEra Energy Resources, vai reduzir o uso de combustíveis fósseis na região. NextEra Energy Resources vendeu ao Google uma participação de 20% do projeto, a fim de obter financiamento para o desenvolvimento do projeto.[95] Também em 2010, o Google comprou a Global IP Solutions, uma empresa baseada na Noruega, que prevê teleconferência baseada na web e outros serviços relacionados. Esta aquisição permitirá à Google incluir serviços de telefonia à sua lista de produtos.[96] Em 27 de maio de 2010, o Google anunciou que também fechou a aquisição da rede de publicidade móvel AdMob. Essa compra ocorreu dias após a Federal Trade Commission encerrar a sua investigação sobre a compra.[97] O Google adquiriu a empresa por uma quantia não revelada.[98] Em julho de 2010, o Google assinou um acordo com um parque eólico de Iowa para comprar 114 megawatts de energia para 20 anos.[99]
Mudanças na gestão

Em 20 de janeiro de 2011, a empresa anunciou que Larry Page vai ser o novo CEO a partir de 4 de abril. Eric Schmidt, deixa o cargo depois de 10 anos e assume a diretoria executiva, concentrando-se principalmente em parcerias e assuntos governamentais. Sergey Brin cuidará de projetos estratégicos e será responsável pelos novos produtos da empresa.[100]

Em 2011 um acionista processou a empresa, alegando que estava permitindo que farmácias canadenses veiculassem anúncios de remédios que precisam de prescrição.[101]
Produtos e serviços
Ver página anexa: Lista de ferramentas e serviços do Google
Publicidade

Noventa e nove por cento da receita do Google é derivada de seus programas de publicidade.[102] Para o ano fiscal de 2006, a empresa registrou 10,492 bilhões dólares em receitas totais de publicidade e apenas US$ 112 milhões em licenças e outras receitas.[103] O Google tem implementado várias inovações no mercado de publicidade online que ajudou a torná-lo um dos maiores corretores do mercado. Usando a tecnologia da empresa DoubleClick, o Google pôde determinar os interesses dos utilizadores e as propagandas de destino para que sejam relevantes para seu contexto e para o usuário que a está vendo.[104][105] O Google Analytics permite que proprietários de sites possam rastrear onde e como as pessoas usam seu site e, por exemplo, analisem as taxas de clique para todos os links em uma página.[106] Os anúncios do Google podem ser colocados em sites de terceiros em um programa de duas partes. O Google AdWords permite que os anunciantes exibam seus anúncios na rede de conteúdo do Google, quer através de um custo por clique ou por custo de visitação. O serviço irmão, Google AdSense, permite que os proprietários de um web site exibam esses anúncios em seu site e ganhem dinheiro com todos os anúncios que são clicados.[107]

Uma das desvantagens e críticas deste programa é a incapacidade do Google em combater fraudes de cliques, quando uma pessoa ou um script automatizado “clica” em propagandas sem estar interessado no produto, para trazer lucros para o dono do site. Relatórios de 2006 afirmaram que entre 14 e 20 por cento dos cliques eram de fato fraudulentos ou inválidos.[108] Além disso, houve uma controvérsia sobre o Google “busca dentro de busca”, onde uma caixa de pesquisa secundária permite ao usuário encontrar o que está olhando dentro de um determinado site. Foi logo informado que o “busca dentro de busca” é usado para uma empresa específica, anúncios de concorrentes e de empresas rivais muitas vezes são mostrados juntamente com os resultados, tirando os usuários de sua busca inicial.[109] Outra queixa contra a publicidade do Google é a censura dos anunciantes, embora muitos casos cumprimento estejam de acordo com o Digital Millennium Copyright Act. Por exemplo, em fevereiro de 2003, o Google parou de mostrar as propagandas da Oceana, uma organização sem fins lucrativos, protestando contra práticas de tratamento de esgoto de um navio de cruzeiro. O Google citou a sua política editorial na época, afirmando que “o Google não aceita publicidade se os defensores do anúncio ou site estarem contra outros indivíduos, grupos ou organizações”.[110] A política foi alterada mais tarde.[111] Em junho de 2008, o Google fez um acordo publicitário com o Yahoo!, para permitir anúncios do Google em páginas do Yahoo!. A aliança entre as duas empresas nunca foi totalmente realizada devido às preocupações antitruste do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. Como resultado, o Google retirou-se do negócio em novembro de 2008.[112][113]
Motor de busca
Ver artigo principal: Google Search
 
Página inicial do Google Search.

O motor de busca do Google na web é o serviço mais popular da companhia e o site mais acessado do mundo. De acordo com pesquisa de mercado publicado pela comScore, em novembro de 2009, o Google era o motor de busca dominante no mercado dos Estados Unidos, com uma quota de mercado de 65,6%.[114] O Google indexa trilhões de páginas web, de modo que os usuários podem pesquisar as informações que quiser, através do uso de palavras-chave e operadores. Apesar de sua popularidade, tem recebido críticas de várias organizações. Em 2003, o The New York Times se queixou de indexação do Google, alegando que o cache de conteúdo do Google em seu site violava os seus direitos autorais sobre o conteúdo.[115] Neste caso, o Tribunal Distrital de Nevada decidiu em favor do Google nos casos Field v. Google e Parker v. Google.[116][117] Além disso, a publicação 2600: The Hacker Quarterly compilou uma lista de palavras que a nova ferramenta de pesquisa instantânea do gigante da web não irá procurar.[118] O site “Google Watch” também criticou os algoritmos do PageRank, do Google, dizendo que eles discriminam novos sites e favorecem os já estabelecidos,[119] também foram feitas acusações sobre as conexões entre a Google, a NSA e a CIA.[120] Apesar das críticas, o motor de pesquisa básica já se espalhou para serviços específicos também, incluindo um motor de busca de imagens, os sites de busca Google News, Google Maps e muito outros. No início de 2006, a companhia lançou o Google Video, que permite que os usuários carreguem, pesquisem e vejam vídeos da internet.[121] Em 2009, no entanto, os uploads para o Google Video foram interrompidos para que o Google pudesse se concentrar mais no aspecto da busca do serviço.[122] A empresa também desenvolveu o Google Desktop, uma aplicação de pesquisa de desktop usada para procurar por arquivos locais de computador. O desenvolvimento mais recente do Google em busca é a sua parceria com o United States Patent and Trademark Office para criar o Google Patents, que permite livre acesso à informação sobre patentes e marcas.

Um dos serviços de busca mais controversos do Google é o Google Books. A empresa começou a digitalizar livros, upload de visualizações limitadas e livros completos, quando permitido, em seu novo motor de busca de livros. A Authors Guild, grupo que representa 8.000 autores dos Estados Unidos, entrou com uma ação coletiva em um tribunal federal de Manhattan contra o Google em 2005 por este novo serviço. O Google respondeu que está em conformidade com todas as aplicações existentes e históricas das leis de direitos autorais sobre os livros.[123] O Google finalmente chegou a um acordo revisto em 2009, para limitar as suas digitalizações de livros de países como Estados Unidos, Reino Unido, Austrália e Canadá.[124] Além disso, a Corte Cível de Paris decidiu contra o Google no final de 2009, pedindo-lhe para remover as obras de La Martinière (Éditions du Seuil) de sua base de dados.[125] Na competição com a Amazon.com, o Google planeja vender versões digitais de livros novos.[126] Da mesma forma, em resposta ao recente lançamento do Bing, em 21 de julho de 2010, o Google atualizou sua busca de imagens para exibir uma sequência de thumbnails que, quando selecionadas, são ampliadas. Apesar de buscas da web ainda aparecem em um formato tradicional de página, em 23 de julho de 2010, definições de dicionário para determinadas palavras em inglês começaram a aparecer acima dos resultados ligados para pesquisas na web.[127]
Ferramentas de produtividade

Além de seus serviços padrão de busca na web, o Google lançou ao longo dos anos uma série de ferramentas de produtividade online. O Gmail, um serviço de webmail gratuito fornecido pela Google, foi lançado como um programa beta somente para convidados em 1 de abril de 2004[128] e tornou-se disponível ao público em geral em 7 de fevereiro de 2007.[129] O serviço foi atualizado a partir da versão beta em 7 de julho de 2009,[130] quando tinha 146 milhões de usuários mensais.[131] O serviço seria o primeiro serviço online de e-mail com um gigabyte de armazenamento e um dos primeiros a manter e-mails da mesma conversa juntos em uma mesma conversa, semelhante a um fórum na Internet.[128] O serviço oferece atualmente mais de 7400 MB de armazenamento gratuito com armazenamento adicional variando de 20 GB para 16 TB disponível para os Estados Unidos por US$ 0,25 por 1 GB por ano.[132] Além disso, os desenvolvedores de software conhecem o Gmail por ter sido o pioneiro no uso do AJAX, uma técnica de programação que permite que páginas da web sejam interativas sem a necessidade de atualizar o navegador.[133] Uma das críticas ao Gmail tem sido a potencial de divulgação de dados, um risco associado com muitas aplicações online. Steve Ballmer (CEO da Microsoft),[134] Liz Figueroa,[135] Mark Rasch[136] e os editores do Google Watch[137] acreditam que a transformação de conteúdo da mensagem de e-mail vai além da utilização adequada, mas o Google afirma que o correio enviado para ou do Gmail nunca é lido por outro ser humano para além do titular da conta e só é usado para melhorar a relevância dos anúncios.[138]

Google Docs, uma outra parte da suíte de produtividade do Google, permite aos usuários criar, editar e colaborar em documentos em um ambiente online, não muito diferente do Microsoft Word. O serviço era originalmente chamado Writely, mas foi obtida pelo Google em 9 de março de 2006, onde foi lançado como uma pré-visualização somente para convidados.[139] Em 6 de junho, após a aquisição, o Google criou um programa de edição de planilha eletrônica experimental,[140] o que seria combinado com Google Docs em 10 de outubro.[141] Um programa para editar apresentações iria completar o conjunto em 17 de setembro de 2007,[142] antes de todos os três serviços serem tirados da versão beta junto com o Gmail, Google Agenda e todos os produtos a partir do Google Apps em 7 de julho de 2009.[130]
Produtos corporativos
 
Aparelho de pesquisa do Google na Conferência RSA de 2008.

O Google entrou no mercado corporativo em fevereiro de 2002 com o lançamento do seu Google Search Appliance, direcionado a fornecer tecnologia de busca para grandes organizações.[26] A empresa lançou o Google Mini três anos mais tarde, que tinha como alvo organizações menores. No final de 2006, o Google começou a vender o Business Edition Custom Search, oferecendo aos clientes uma janela de publicidade gratuita para índice do Google.com. O serviço foi rebatizado Google Site Search, em 2008.[143]

Outro dos produtos corporativos do Google é o Google Apps Premier Edition. O serviço, e seus acompanhantes Google Apps Education Edition e Standard Edition, permite que empresas, escolas e outras organizações possam levar aplicações online do Google, como Gmail e Google Docs, em seu próprio domínio. O Premier Edition inclui especificamente extras sobre o Standard Edition, tais como mais espaço em disco, acesso à API e suporte premium e custa 50 dólares por usuário por ano. A implementação de grandes Google Apps com 38.000 usuários está na Universidade Lakehead em Thunder Bay, Ontário, Canadá. No mesmo ano em que foi lançado o Google Apps, o Google adquiriu o Postini[144] e passou a integrar as tecnologias de segurança da empresa para o Google Apps[145] sob o nome de Serviços Google Postini.[146]
Outros produtos

O Google Tradutor é um do lado do servidor de serviços de tradução automática, que pode traduzir entre 35 idiomas diferentes. Extensões para navegadores permitem fácil acesso ao Google Tradutor a partir do navegador. O software utiliza técnicas da linguística de corpus, onde o programa “aprende” a partir de documentos traduzidos profissionalmente, especificamente das Nações Unidas e de procedimentos do Parlamento Europeu.[147] Além disso, a opção “sugerir uma tradução melhor” acompanha o texto traduzido, permitindo aos usuários que indiquem onde a tradução apresentada está incorreta ou inferior a outra tradução.

O Google lançou seu serviço Google Notícias em 2002. O site proclamou que a empresa havia criado um site “altamente incomum” que “oferece um serviço de notícias compilado unicamente por algoritmos de computador, sem intervenção humana. A Google não emprega editores, editores de gestão, ou editores executivos.”[148] O site hospeda menos conteúdo de notícias licenciado do que o Yahoo! News e apresenta os links topicamente selecionados por pedaços de notícias e opiniões, juntamente com reproduções de suas manchetes, leads e fotografias.[149] As fotografias são tipicamente reduzidas para o tamanho de miniaturas e colocadas ao lado das manchetes de outras fontes de notícias sobre o mesmo tema, a fim de minimizar a alegada a violação de direitos autorais. No entanto, Agence France-Presse processou o Google por violação de direitos autorais em um tribunal federal no Distrito de Columbia, um caso que o Google resolveu por uma quantia não revelada em um acordo que inclui uma licença do texto completo de artigos da AFP para uso no Google Notícias.[150]

Em 2006, o Google fez uma proposta para oferecer acesso de banda larga sem fios em toda a cidade de São Francisco, Estados Unidos, juntamente com provedor de acesso à Internet EarthLink. Empresas de telecomunicações de grande porte como a Comcast e a Verizon fazem oposição contra tais esforços, alegando que isso é “concorrência desleal” e que as cidades estariam violando seus compromissos de oferecer monopólios locais a essas empresas. Em seu depoimento perante o Congresso dos Estados Unidos sobre a neutralidade da rede em 2006, o chefe do Google, Vint Cerf culpou tais táticas no fato de que quase metade de todos os consumidores não têm escolha significativa em provedores de banda larga.[151] O Google oferece atualmente acesso wi-fi gratuito em sua cidade natal, Mountain View na Califórnia.[152]

Um ano depois, surgiram relatos de que o Google estava planejando o lançamento de seu próprio celular, possivelmente, um concorrente do iPhone da Apple.[153][154][155] O projeto, chamado Android, acabou por não ser um telefone, mas um sistema operacional para dispositivos móveis, o que o Google adquiriu e depois lançou como um projeto código aberto sob a licença Apache 2.0.[156] O Google fornece um kit de desenvolvimento de software para desenvolvedores para que aplicativos possam ser criados para serem executados no Android baseado. Em setembro de 2008, a T-Mobile lançou o G1, o primeiro telefone com Android.[157] Mais de um ano depois, em 5 de janeiro de 2010, o Google lançou um telefone Android sob o seu próprio nome chamado de Nexus One.[158]

Outros projetos do Google incluem um serviço de comunicação colaborativa novo, um navegador e até mesmo um sistema operacional móvel. O primeira deles foi anunciada pela primeira vez em 27 de maio de 2009. O Google Wave foi descrito como um produto que ajuda os usuários a se comunicarem e colaborarem na web. O serviço é um “email redesenhado” do Google, com edição em tempo real, capacidade de incorporar áudio, vídeo e outras mídias, e extensões que melhoram ainda mais a experiência de comunicação. O Google Wave foi anteriormente na visualização de um desenvolvedor, onde os usuários interessados ​​tinham que ser convidados para testarem o serviço, mas foi liberado para o público em geral em 19 de maio de 2010, no Google I/O. Em 1 de setembro de 2008, o Google pré-anunciou a disponibilidade futura do Google Chrome, um navegador de de código aberto,[159] que foi depois lançado em 2 de setembro de 2008. No ano seguinte, em 7 de julho de 2009, o Google anunciou o Google Chrome OS, um sistema operacional de código aberto baseado no Linux que inclui apenas um navegador de web e é projetado para que os usuários façam login em sua conta Google.[160][161]

Em 2011, o Google anunciou que irá desvendar Google Wallet, uma aplicação móvel para pagamentos sem fio.[162] No mesmo ano, a empresa anunciou que estava trabalhando em um serviço de rede social chamado Google+.[163]
Assuntos corporativos e cultura
 
O então CEO, agora presidente do Google, Eric Schmidt, com Sergey Brin e Larry Page (esquerda para direita) em 2008.

O Google é conhecido por ter uma cultura corporativa informal. Na lista da revista Fortune das melhores empresas para se trabalhar, o Google ficou em primeiro lugar em 2007 e 2008[21][164] e em quarto em 2009 e 2010.[165][166] A empresa também foi indicada em 2010 como o empregador mais atraente do mundo mais para formar alunos no índice de atração de talentos Universum Communications.[167] A filosofia corporativa do Google incorpora princípios tão casuais como “você pode ganhar dinheiro sem fazer o mal”, “você pode ser sério sem um terno” e “o trabalho deve ser desafiador e os desafios devem ser divertidos.”[168]
Empregados
 
Os novos funcionários são chamados de “Nooglers” e recebem um boné com uma hélice para usar em sua primeira TGIF.[169]

O desempenho das ações da Google após a sua oferta pública inicial (OPI) permitiu que muitos funcionários fossem compensados competitivamente cedo.[170] Depois da OPI da empresa, os fundadores Sergey Brin e Larry Page e o CEO Eric Schmidt solicitaram que seu salário base fosse cortado para US$ 1. Ofertas subsequentes pela empresa para aumentar seus salários foram rejeitadas, principalmente porque sua remuneração principal continuava a vir das ações que possuíam da Google. Antes de 2004, Schmidt lucrava US$ 250.000 por ano e Page e Brin ganhavam um salário de 150.000 dólares cada um.[171]

Em 2007 e até o início de 2008, vários dos principais executivos deixaram o Google. Em outubro de 2007, o ex-diretor financeiro do YouTube Gideon Yu se juntou ao Facebook,[172] juntamente com Benjamin Ling, um engenheiro de alto escalão.[173] Em março de 2008, Sheryl Sandburg, então vice-presidente global de vendas e operações on-line, começou a sua posição como chefe de operações do Facebook[174], enquanto Ash ElDifrawi, ex-chefe de publicidade da marca, deixou a empresa para se tornar diretor de marketing da Netshops, uma empresa de varejo on-line que foi renomeada Hayneedle em 2009.[175] Em 4 de abril de 2011, Larry Page tornou-se CEO e Eric Schmidt se tornou presidente executivo da Google.[176]

Como uma técnica de motivação, o Google utiliza uma política muitas vezes chamado Innovation Time Off, onde os engenheiros do Google são encorajados a gastar 20% do seu tempo de trabalho em projetos que lhes interessam. Alguns dos novos serviços do Google, como o Gmail, Google Notícias, Orkut e AdSense originaram-se destes esforços independentes.[177] Em uma palestra na Universidade de Stanford, Marissa Mayer, vice-presidente de Produtos Pesquisa e Experiência do Usuário do Google, mostrou que metade de todos os lançamentos de novos produtos atuais se originaram a partir do Innovation Time Off.

Em março de 2011, empresa de consultoria Universum divulgou dados de que o Google ocupa o primeiro lugar na lista de empregadores ideais por quase 25% dos 10 mil jovens profissionais perguntados pela pesquisa.[178]
Googleplex
Ver artigo principal: Googleplex
 
Googleplex, o principal e maior campus corporativo do Google.
 
Escritório do Google em Nova Iorque.

A sede do Google em Mountain View, Califórnia, é conhecida como “Googleplex”, um jogo de palavras com o número googolplex e do fato da sede ser um complexo de edifícios. A entrada está decorada com um piano, lâmpadas de lava, aglomerados de servidores antigos e uma projeção de consultas de pesquisa na parede. Os corredores estão cheios de bolas de exercício e bicicletas. Cada funcionário tem acesso ao centro de recreação da empresa. As instalações recreativas estão espalhadas pelo campus e incluem uma sala de exercícios com pesos e máquinas de remo, vestiários, lavadoras e secadoras, uma sala de massagem, jogos de vídeo variados, futebol de mesa, um piano de meia cauda, ​​uma mesa de bilhar e ping pong. Além da sala de recreação, há salas de lanche abastecidas com vários alimentos e bebidas.[179] Em 2006, o Google mudou-se para um espaço de escritórios com 28.900 m² em Nova York, na 111 Eighth Avenue, em Manhattan.[180] O escritório foi especialmente concebido e construído para o Google e que agora abriga a sua maior equipe de publicidade e vendas, que tem sido instrumental na obtenção de grandes parcerias.[180] Em 2003, eles adicionaram uma equipe de engenharia em Nova York, que tem sido responsável por mais de 100 projetos, incluindo o Google Maps, Google Spreadsheets, entre outros. Estima-se que o edifício custou so Google US$ 10 milhões por ano de aluguel e é similar em design e funcionalidade com a sua sede de Mountain View, incluindo futebol de mesa, hóquei de ar, e mesas de ping-pong, bem como uma área de jogo de vídeo. Em novembro de 2006, o Google abriu escritórios no campus da Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, com foco na codificação de compras relacionadas a propaganda e aplicações para smartphones e programas.[181][182] Em fins de 2006, o Google também criou uma nova sede para sua divisão de AdWords em Ann Arbor, Michigan.[183] Além disso, o Google tem escritórios em todo o mundo, e nos Estados Unidos, incluindo Atlanta, Austin, Boulder, São Francisco, Seattle e Washington DC.

O Google está tomando medidas para assegurar que suas operações sejam ambientalmente corretas. Em outubro de 2006, a empresa anunciou planos de instalar milhares de painéis solares para fornecer até 1,6 megawatts de eletricidade, o suficiente para satisfazer cerca de 30% das necessidades de energia do campus.[184] O sistema será o maior sistema de energia solar construída em um campus corporativo dos Estados Unidos e um dos maiores em qualquer local corporativo do mundo.[184] Além disso, o Google anunciou em 2009 a implantação rebanhos de cabras para manter as pastagens ao redor do Googleplex curtas, ajudando a prevenir a ameaça de incêndios sazonais e, ao mesmo tempo, reduzir a pegada de carbono de cortar extensos terrenos.[185][186] A idéia de aparar gramados usando cabras originou-se com R. J. Widlar, um engenheiro que trabalhava para a National Semiconductor.[187] Apesar disso, o Google tem enfrentado acusações da Harper’s Magazine de ser extremamente excessivo com o uso de energia e foi acusado ​​de empregar o seu lema “Não seja mau” bem como a sua economia de energia muito públicos como meio de tentar encobrir ou compensar as enormes quantidades de energia que seus servidores realmente necessitam.[188]
Ovos de páscoa, brincadeiras de 1º de abril e “doodles”
Ver artigo principal: Google Gulp
 
Página exibida em 27 de setembro de 2011 no Google Search, com um “doodle” para comemorar os 13 anos da empresa.[189]

A Google tem uma tradição de criar piadas do dia da mentira. Por exemplo, o Google MentalPlex supostamente era caracterizado por usar o poder mental para pesquisar na web.[190] Em 2007, o Google anunciou um serviço de Internet gratuito chamado TiSP, ou Toilet Internet Service Provider, onde se obtinha uma conexão através de lavagem da extremidade de uma fibra ótica no banheiro.[191] Também em 2007, na página do Gmail, o Google é exibiu um anúncio para o Papel Gmail, permitindo aos usuários enviar mensagens de e-mail impresso.[192] Em 2008 o Google anunciou o tempo personalizado do Gmail, onde os usuários podiam mudar a data que o email foi enviado.[193] Em 2010, a brincadeira do Google mudou o nome da empresa para Topeka em honra de Topeka, Kansas, cujo prefeito realmente mudou o nome da cidade para Google por um curto período de tempo em uma tentativa de convencer o Google a levar o seu novo projeto Fibra Google para a cidade.[194][195] Em 2011, o Google anunciou Movimento Gmail, uma maneira interativa de controlar o Gmail e o computador com movimentos do corpo através da webcam do usuário.[196]

Além de piadas 1ª de abril, os serviços do Google contém uma série de Ovos de Páscoa. Por exemplo, o Google incluiu o Cozinheiro Sueco “Bork Bork Bork,” Pig Latin, “Hacker” ou leetspeak, Hortelino e Klingon como seleções de línguas para seu mecanismo de busca.[197] Além disso, o calculador do motor de pesquisa fornece a resposta para a Questão Fundamental da Vida, do Universo e de Tudo Mais de Douglas Adams, autor de O Guia do Mochileiro das Galáxias.[198] Além disso, ao procurar a palavra “recursão”, resultado do corretor ortográfico para a palavra escrita corretamente é exatamente a mesma palavra, criando um link recursivo.[199] No Google Maps, em busca de direções entre os lugares separados por grandes massas de água, tais como Los Angeles e Tóquio, resulta em instruções para “jetski através do Oceano Pacífico.” Durante a Copa do Mundo FIFA de 2010, as consultas de busca para os termos “World Cup”, “FIFA”, etc, fazia surgir o “Goooo … gle”, um indicador de página na parte inferior de cada página de resultados.[200] O motor de busca Google Search também comemora os aniversários da empresa com “doodles”. Os “doodles” consistem em mudanças no visual do logotipo da empresa para comemorar feriados e aniversários.[201]
Filantropia

Em 2004, o Google formou o sem fins lucrativos e filantrópico Google.org, com um fundo de incial de US$ 1 bilhão.[202] A missão da organização é criar uma conscientização sobre a mudança climática, a saúde pública mundial e a pobreza global. Um de seus primeiros projetos foi o de desenvolver uma alternativa viável para veículos elétricos híbridos pulg-in que podem atingir 161 quilômetros por tanque. O Google contratou o Dr. Larry Brilliant como diretor executivo do programa em 2004[203] e o atual diretor é Megan Smith.[204]

Em 2008 o Google anunciou seu “projeto 10100″, que aceita idéias de como ajudar a comunidade e, em seguida, permitiu que os usuários do Google votassem em seus favoritos.[205] Após dois anos de silêncio, durante o qual muitos se perguntaram o que tinha acontecido com o programa,[206] o Google revelou os vencedores do projeto, dando um total de 10 milhões de dólares para várias idéias que vão desde organizações sem fins lucrativos que promovem a educação para um site que pretende fazer todos os documentos legais públicos e online.[207]

Em 2011, o Google doou 1 milhão de euros para a Olimpíada Internacional de Matemática para apoiar os próximos cinco anos da olimpíada (2011-2015).[208]
Neutralidade da rede

O Google é um apoiante notável da neutralidade da rede. Segundo o Guia da Neutralidade da Rede do Google:

Neutralidade da rede é o princípio de que os usuários da Internet devem estar no controle do conteúdo que eles vêem e de quais aplicações eles usam na internet. A Internet tem operado de acordo com este princípio de neutralidade desde seus primeiros dias… Fundamentalmente, a neutralidade da rede é a igualdade de acesso à Internet. Em nossa opinião, as operadoras de banda larga não devem ser autorizadas a usar seu poder de mercado para discriminar candidatos ou conteúdos concorrentes. Assim como as empresas de telefonia não estão autorizadas a dizer aos consumidores para quem eles devem ligar ou o que eles podem dizer, as operadoras de banda larga não devem ser autorizadas a utilizar seu poder de mercado para controlar a atividade online.[209]

Em 7 de fevereiro de 2006, Vint Cerf, co-inventor do protocolo de Internet (IP), e vice-presidente atual e “Chief Internet Evangelist” no Google, em depoimento perante o Congresso dos Estados Unidos, disse, “permitir que as operadoras de banda larga controlem o que as pessoas vêem e fazem online seria fundamentalmente o mesmo que minar os princípios que tornaram a Internet um sucesso tão grande.”[210]
Privacidade

Eric Schmidt, chefe-executivo do Google, disse em 2007, em uma entrevista ao Financial Times: “O objetivo é permitir que usuários do Google sejam capazes de fazer perguntas como “O que vou fazer amanhã? e “Em qual trabalho devo me ocupar?”.[211] Schmidt reafirmou isso em 2010, em uma entrevista ao Wall Street Journal:”.. Eu realmente acho que a maioria das pessoas não querem o Google para responder suas perguntas, elas querem Google para dizer-lhes o que deve fazer em seguida.”[212]

Em dezembro de 2009, o CEO do Google, Eric Schmidt, declarou após declarações sobre as preocupações com a privacidade dos usuários do Google: “Se você tem algo que você não quer que ninguém saiba, talvez você não deveria estar fazendo isso em primeiro lugar. Se você realmente precisa desse tipo de privacidade, a realidade é que os motores de busca – inclusive o Google – não guardam esta informação há algum tempo e é importante, por exemplo, que todos nós estamos sujeitos nos Estados Unidos ao Patriot Act e é possível que todas as informações que podem estar disponíveis às autoridades.”[213] O Privacy International classificou o Google como “hostil à privacidade”, a sua classificação mais baixa em seu relatório, fazendo do Google a única empresa na lista a receber essa classificação.[214][215][216]

Na conferência Techonomy de 2010 Eric Schmidt previu que “a verdadeira transparência e sem anonimato” é o caminho a seguir na internet: “Em um mundo de ameaças assíncronas é muito perigoso que não que haja alguma maneira de identificá-lo. Nós precisamos de um [verificado] serviço de nomes das pessoas. Os governos vão exigir isso.” Ele também disse que “Se eu olhar o suficiente da sua mensagem e a sua localização, com uso de inteligência artificial, podemos prever onde você está indo. Mostre-nos 14 fotos de si mesmo e podemos identificar quem você é. Você acha que você não tem 14 fotos de si mesmo na internet? Você tem fotos no Facebook!”[217]

O grupo sem fins lucrativos de Pesquisa de Informação Pública lançou o Google Watch, um site anunciado como “um olhar para o monopólio, algoritmos e questões de privacidade do Google.”[218][219] O site levantou questões relacionadas ao armazenamento de cookies do Google, que em 2007 tinha uma vida útil de mais de 32 anos e incorporou uma ID exclusiva para a criação habilitada de um log de dados do usuário.[220] O Google também tem enfrentado críticas em relação ao lançamento do Google Buzz, versão do Google para redes sociais, onde os usuários do Gmail têm suas listas de contatos automaticamente tornadas públicas a menos que eles optem por sair.[221] O Google tem sido criticado por sua censura de determinados sites em determinados países e regiões. Até março de 2010, o Google aderiu às políticas de censura à internet da China, aplicada por meio de filtros conhecidos coloquialmente como “O Grande Firewall da China”.[222] Houve relatos em 2010 de um vazamentos de telegramas diplomáticos através de uma invasão do Politburo Chinês aos computadores do Google como parte de uma campanha mundial coordenada de sabotagem aos computadores de “agentes do governo, especialistas em segurança privada e bandidos da Internet recrutados pelo governo chinês.”[223]

Apesar de ser altamente influente nas políticas públicas locais e internacionais o Google não divulga seus gastos político online. Em agosto de 2010, advogado público da cidade de Nova York, Bill de Blasio, lançou uma campanha nacional pedindo à corporação a divulgação de todos os seus gastos políticos.[224]

Durante o período compreendido entre os anos de 2006 e 2010, os carros com câmeras acopladas do Google Street View recolheram cerca de 600 gigabytes de dados de usuários de redes Wi-Fi sem criptografação públicas e privadas em mais de 30 países. A não divulgação e nem uma política de privacidade foi oferecida para as pessoas afetadas e nem para os proprietários das estações de Wi-Fi. Um representante do Google afirmou que eles não estavam conscientes de suas atividades de coleta de dados privados, até um inquérito de reguladores alemão ter sido enviado e que nenhum destes dados foi utilizado no motor de busca do Google ou em outros serviços da empresa. Um representante da Consumer Watchdog respondeu: “Mais uma vez, o Google tem demonstrado uma falta de preocupação com a privacidade.” Em um sinal de que as sanções legais podem ter algum resultado, o Google afirmou que não irá destruir os dados até ser permitido pelos reguladores.[225][226]
Ver também
Google Search
Lista de ferramentas e serviços do Google
Referências
↑ a b Code of Conduct – Investor Relations (em inglês). Google.com. Página visitada em 30 de março de 2011.
↑ a b Slogan do Google é incompreendido, diz presidente da empresa (em português). G1.com. Página visitada em 12 de junho de 2008.
↑ Google Announces First Quarter 2011 Results (em inglês). Google.com. Página visitada em 18 de abril de 2011.
↑ Global 500 Dec 2010 (em inglês). Financial Times. Página visitada em 30 de março de 2011.
↑ a b c d FORM 10-K (em inglês). United States Securities and Exchange Commission. Página visitada em 4 de março de 2011.
↑ Google Inc. (em inglês). Hoovers.com. Página visitada em 30 de março de 2011.
↑ Google Permissions – Guidelines (em inglês). Google.com. Página visitada em 30 de março de 2011.
↑ 2010 Financial Tables (em inglês). Google.com. Página visitada em 30 de março de 2011.
↑ David A. Vise. “[David A. Vise Online Ads Give Google Huge Gain in Profit]“, 21 de outubro de 2005. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Ignatius, Adi. “Meet the Google Guys”, Time Magazine, Time Inc., 12 de fevereiro de 2006. Página visitada em 27 de março de 2010.
↑ “The Google Guys”, CBS Interactive, 12 de março de 2009. Página visitada em March 27, 2010.
↑ Barrett, Brian (February 4, 2010). Google Wants to Add Store Interiors to Maps. Gizmodo. Página visitada em 27 de março de 2010.
↑ Google Corporate Information. Google, Inc.. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Lenssen, Philip (16 de julho de 2007). 16, 2007-n55.html Paul Buchheit on Gmail, AdSense and More. Google Blogscoped. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Pandia Search Engine News — Google: one million servers and counting. Pandia Search Engine News (2 de julho de 2007). Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Kuhn, Eric. “CNN Politics — Political Ticker… Google unveils top political searches of 2009″, CNN, December 18, 2009. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Czajkowski, Grzegorz (21 de novembro de 2008). Sorting 1PB with MapReduce. Official Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Kennedy, Niall (January 8, 2008). Google processes over 20 petabytes of data per day. Niall Kennedy’s Weblog. Niall Kennedy. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Schonfeld, Erick (9 de janeiro de 2008). Google Processing 20,000 Terabytes A Day, And Growing. TechCrunch. TechCrunch. Página visitada em 16 de fevereiro de 2010.
↑ Alexa Traffic Rank for Google (three month average). Alexa Internet. Página visitada em 6 de setembro de 2009.
↑ a b “100 Best Companies to Work For 2010″, Fortune Maganize, CNN, 8 de fevereiro de 2010. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Top 100 Most Powerful Brands of 2009 (PDF). BrandZ (2008). Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ “Google ranked ‘worst’ on privacy”, BBC News, 11 de junho de 2007. Página visitada em 30 de abril de 2010.
↑ Rosen, Jeffrey. “Google’s Gatekeepers”, New York Times, 30 de novembro de 2008. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Williamson, Alan (12 de janeiro de 2005). An evening with Google’s Marissa Mayer. Alan Williamson. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ a b c d e f Google Milestones. Corporate Information. Google, Inc.. Página visitada em 28 de setembro de 2010.
↑ The PageRank Citation Ranking: Bringing Order to the Web. Stanford University (11 de novembro de 1999). Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ Technology Overview. Corporate Information. Google, Inc.. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ Page, Larry (18 de agosto de 1997). PageRank: Bringing Order to the Web. Stanford Digital Library Project. Arquivado do [www-diglib.stanford.edu/cgi-bin/WP/get/SIDL-WP-1997-0072?1 original] em 6 de maio de 2002. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Li, Yanhong (6 de agosto de 2002). “Toward a qualitative search engine”. Internet Computing, IEEE 2 (4): 24–29. IEEE Computer Society. DOI:10.1109/4236.707687. ISSN 1089-7801.
↑ Predefinição:Cite patent
↑ Greenberg, Andy (5 de outubro de 2009). The Man Who’s Beating Google. Forbes Magazine. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ About: RankDex. RankDex.com. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ Battelle, John. “The Birth of Google”, Agosto de 2005. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ 9 People, Places & Things That Changed Their Names. Mental Floss. Página visitada em 20 de dezembro de 2009.
↑ Backrub search engine at Stanford University. Arquivado do original em 10 de dezembro de 1997. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ Koller, David (January 2004). Origin of the name “Google”. Stanford University. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ Hanley, Rachael. “From Googol to Google”, Stanford University, 12 de outubro de 2003. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ Google! Beta website. Google, Inc.. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 1999. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ Google! Search Engine. Stanford University. Arquivado do original em 11 de novembro de 1998. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ WHOIS — google.com. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Craig Silverstein’s website. Stanford University. Arquivado do original em 2 de outubro de 1999. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ Kopytoff, Verne. “Craig Silverstein grew a decade with Google”, Hearst Communications, Inc., 7 de setembro de 2008. Página visitada em 12 de outubro de 2010.
↑ Google Server Assembly. Computer History Museum. Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ a b Kopytoff, Verne. “For early Googlers, key word is $$$”, Hearst Communications, April 29, 2004. Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ Google (7 de junho de 1999). Google Receives $25 Million in Equity Funding. Press release. Página visitada em 16 de fevereiro de 2009.
↑ Elgin, Ben. “Google: Whiz Kids or Naughty Boys?”, Bloomberg, L.P., 19 de agosto de 2004. Página visitada em February 19, 2010.
↑ 2004 Annual Report. Google, Inc. (2004). Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ La Monica, Paul R.. “Google sets $2.7 billion IPO”, CNN Money, CNN, 30 de abril de 2004. Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ Kawamoto, Dawn (29 de abril de 2004). Want In on Google’s IPO?. ZDNet. CBS Interactive. Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ Webb, Cynthia L.. “Google’s IPO: Grate Expectations”, The Washington Post Company, 19 de agosto de 2004. Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ Kuchinskas, Susan. “Yahoo and Google Settle”, internet.com, QuinStreet, Inc., August 9, 2004. Página visitada em 19 de fevereiro de 2010.
↑ “Quirky Google Culture Endangered?”, 28 de abril de 2004. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Google IPO at $2.7 billion. CNET News. CBS Interactive (30 de abril de 2004). Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Erro: campo title é obrigatório.
↑ “Search giant may outgrow its fans”, 25 de agosto de 2005. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Ranka, Mohit (17 de maio de 2007). Google – Don’t Be Evil. OSNews. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Mills, Elinor (30 de abril de 2007). Google’s culture czar. ZDNet. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Kawamoto, Dawn (27 de julho de 2005). Google hit with job discrimination lawsuit. CNET News. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ “Google accused of ageism in reinstated lawsuit”, CTV Television Network, 6 de outubro de 2007. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Hancock, Jay (31 de outubro de 2007). Google shares hit $700. The Baltimore Sun. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ a b La Monica, Paul R. (May 25, 2005). Bowling for Google. CNN. Página visitada em 28 de fevereiro de 2007.
↑ Fried, Ian. “A building blessed with tech success”, CNET, 4 de outubro de 2002. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ Stross, Randall. Planet Google: One Company’s Audacious Plan to Organize Everything We Know. New York: Free Press, September 2008. 3–4 p. ISBN 978-1-4165-4691-7. Página visitada em 14 de fevereiro de 2010.
↑ Sullivan, Danny. “GoTo Going Strong”, Incisive Interactive Marketing, 1 de julho de 1998. Página visitada em 18 de fevereiro de 2010.
↑ Pelline, Jeff. “Pay-for-placement gets another shot”, CNET, 19 de fevereiro de 1998. Página visitada em 18 de fevereiro de 2010.
↑ Olsen, Stephanie. “Google, Yahoo bury the legal hatchet”, CNET, 9 de agosto de 2004. Página visitada em 18 de fevereiro de 2010.
↑ Predefinição:Ref patent
↑ Olsen, Stephanie. “Google’s movin’ on up”, CNET, 11 de julho de 2003. Página visitada em 15 de fevereiro de 2010.
↑ “Google to buy headquarters building from Silicon Graphics”, American City Business Journals, 16 de junho de 2006. Página visitada em 15 de fevereiro 2010.
↑ Krantz, Michael (25 de outubro de 2006). Do You “Google”?. Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 17 de fevereiro de 2010.
↑ Bylund, Anders (5 de julho de 2006). To Google or Not to Google. MSNBC. Arquivado do original em 7 de julho de 2006. Página visitada em 17 de fevereiro de 2010.
↑ Google, Inc. (October 27, 2004). Google Acquires Keyhole Corp. Press release. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ La Monica, Paul R.. “Google to buy YouTube for $1.65 billion”, CNN Money, CNN, October 9, 2006. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Story, Louise. “Google Buys DoubleClick for $3.1 Billion”, The New York Times Company, April 17, 2007. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Chan, Wesley (2 de julho de 2007). All aboard. Official Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Google to Acquire On2 Technologies. Google Press release (August 5, 2009). Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Google Acquires Aardvark. Official Google Blog. google.com. Página visitada em 12 de fevereiro de 2010. “we’re excited to announce that we’ve acquired Aardvark, a unique technology company.”
↑ Letzing, John (21 de abril de 2010). Google buys stealthy start-up Agnilux. MarketWatch. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Mills, Elinor (29 de setembro de 2005). Can Google beat the new-office curse?. CNET News. CBS Interactive. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Kessler, Michelle. “3, 2005-google-sun-team_x.htm Google, Sun make ‘big deal’ together”, Gannett Co. Inc., October 3, 2005. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Mills, Elinor (28 de dezembro de 2005). What the Google-AOL deal means for users. CNET News. CBS Interactive. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Lunden, Ingrid (12 de fevereiro de 2010). DotMobi Sells .Mobi Domain-Name Operator. Yahoo! Finance. Yahoo!. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ Google AdSense for Mobile unlocks the potential of the mobile advertising market. Google, Inc. (17 de setembro de 2007). Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ “Fox Interactive Media Enters into Landmark Agreement with Google Inc.; Multi-Year Pact Calls for Google to Provide Search and Advertising across Fox Interactive Media’s Growing Online Network Including the MySpace Community”, B Net, CBS Interactive, 7 de agosto de 2006. Página visitada em 26 de fevereiro de 2010.
↑ a b Reuters. “Google closes $A2b YouTube deal”, The Age, 14 de novembro de 2006. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Yen, Yi-Wyn. “YouTube Looks For the Money Clip”, 25 de março de 2008. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Hardy, Quentin, Evan Hessel. “GooTube”, Forbes Magazine, Forbes.com, May 22, 2008. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Tracking Santa: NORAD & Google Team Up For Christmas, Dec 1, 2007, Danny Sullivan (em en). Search Engine Land. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Behind the scenes: NORAD’s Santa tracker for Thur, Dec 21, 2009 By Daniel Terdiman, CNET (em en). CNET. Página visitada em 31 de dezembro de 2009.
↑ Instructions On Tracking Santa With NORAD & Google: The 2007 Edition, Dec 24, 2007, Danny Sullivan (em en). Search Engine Land. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Shalal-Esa, Andrea. “[GeoEye launches high-resolution satellite GeoEye launches high-resolution satellite]“, Reuters, 6 de setembro de 2008. Página visitada em 26 de favereiro de 2010.
↑ “Google gives online life to Life mag’s photos”, 20 de novembro de 2008. Página visitada em 25 de fevereiro de 2010. “Google Inc. has opened an online photo gallery that will include millions of images from Life magazine’s archives that have never been seen by the public before.”
↑ Greg Stirling (18 de novembro de 2008). Google Hosting Time-Life Photo Archive, 10 Million Unpublished Images Now Live. Search Engine Land. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ “Google Invests in Two Wind Farms”, 4 de maio de 2010. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Google’s Latest Telephony Play. Forbes.com. Forbes, Inc. (May 18, 2010). Página visitada em 27 de novembro de 2010.
↑ Google Closes Acquisition of AdMob. AppScout. Ziff Davis Publishing Holdings Inc. (27 de maio de 2010). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Google Acquires Mobile Display Ad Firm AdMob. PC Magazine. Ziff Davis Publishing Holdings Inc. (November 9, 2010). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Google buys power from Iowa wind farm. News.techworld.com (21 de julho de 2010). Página visitada em 26/10/2010.
↑ Larry Page vai ser o novo CEO do Google (em português). Globo Online (20 de janeiro de 2011). Página visitada em 21 de janeiro de 2011.
↑ Acionista processa Google por anúncios ilegais
↑ Google Annual Report, 15 de Fev. de 2008
↑ Form 10-K — Annual Report. EDGAR. SEC. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Nakashima, Ellen. “Some Web Firms Say They Track Behavior Without Explicit Consent”, The Washington Post, The Washington Post Company, August 12, 2008. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Helft, Miguel. “Google to Offer Ads Based on Interests”, The New York Times, 11 de março de 2009. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Bright, Peter. “Surfing on the sly with IE8′s new “InPrivate” Internet”, Ars Technica, 27 de agosto de 2008. Página visitada em 1 de setembro de 2008.
↑ AdSense. Página visitada em 11 de outubro de 2009.
↑ Mills, Elinor. “Google to offer advertisers click fraud stats.” c net. 25 de julho de 2006. Acessado em 29 de julho de 2006.
↑ Stamoulis, Nick. “Why Companies Are Upset With Google’s Search-Within-Search”, Search Engine Optimization Journal, 24 de março de 2008.
↑ Google Somewhat Lifts Oceana Ad Ban. webpronews.com.
↑ Google AdSenseTM Online Standard Terms and Conditions. Google AdSense.
↑ Mclntyre, Douglas (31/10/2008). Yahoo and Google may dump their deal. Bloggingstocks.com. Página visitada em 26/10/2010.
↑ Drummond, David (05/11/2008). “Ending our agreement with Yahoo!”. The Official Google Blog. Googleblog.blogspot.com. Página visitada em 26/10/2010.
↑ “comScore Releases November 2009 U.S. Search Engine Rankings”, 16 de dezembro de 2006. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Google cache raises copyright concerns. CNET News. CBS Interactive (9 de julho de 2003). Página visitada em 13 de junho de 2010.
↑ Predefinição:Cite court
↑ Predefinição:Cite court
↑ Google Instant Censorship: The Strangest Terms Blacklisted By Google. The Huffington Post. Página visitada em 26/10/2010.
↑ Farhad Manjoo (30 de agosto de 2002). Conspiracy Researcher Says Google’s No Good. AlterNet. Página visitada em 12 de dezembro de 2009.
↑ Dave Gussow. “Despite popularly, Google under fire for privacy issues”, 14 de abril de 2003. Página visitada em 11 de outubro de 2008.
↑ Tyler, Nathan. “Google to Launch Video Marketplace.” Google. 6 de janeiro de 2006. Acessado em 23 de fevereiro de 2007.
↑ Cohen, Michael (14 de janeiro de 2009). Official Google Video Blog: Turning Down Uploads at Google Video. Googlevideo.blogspot.com. Página visitada em 2 de janeiro de 2010.
↑ Martin, China (26 de novembro de 2007). Google hit with second lawsuit over Library project. InfoWorld.
↑ Pettersson, Edvard. “Google Wins Preliminary Approval of Online Books Settlement”, Bloomberg, 20 de novembro de 2009. Página visitada em 18 de dezembro de 2009.
↑ Smith, Heather. “Google’s French Book Scanning Project Halted by Court”, Bloomberg, 18 de dezembro de 2009. Página visitada em 18 de dezembro de 2009.
↑ Rich, Motoko. “Preparing to Sell E-Books, Google Takes on Amazon”, The New York Times, 31 de maio de 2009. Página visitada em 18 de dezembro de 2009.
↑ This Week in Search 7/25/10. Official Google Blog. Google, Inc. (25 de julho de 2010). Página visitada em 28 de julho de 2010.
↑ a b Cashmore, Pete. “Six ways Gmail revolutionized e-mail”, Turner Broadcasting System, Inc., 1 de abril de 2010. Página visitada em 2 de abril de 2010.
↑ Chitu, Ionut Alex. (7 de fevereiro de 2007). More People Can Sign up for a Gmail Account. Google Operating System Blog. Página visitada em 3 de abril de 2010.
↑ a b Glotzbach, Matthew (7 de julho de 2009). Google Apps is out of beta (yes, really). Official Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 2 de abril de 2010.
↑ Zibreg, Christian (11 de fevereiro de 2010). Facebook strikes back at Google, integrates its chat with AOL Instant Messenger. Geek.com. Geek.com, LLC. Página visitada em 2 de abril de 2010. “While Gmail’s 146 million monthly users are no match for Facebook’s 400+ million-strong user base, not all of them use built-in chat.”
↑ Lee, Elvin (10 de novembro de 2009). Twice the storage for a quarter of the price. Official Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 3 de abril de 2010.
↑ Marshall, Gary (April 1, 2010). Happy sixth birthday, Google Mail!. TechRadar. Future Publishing Ltd.. Página visitada em 3 de abril de 2010.
↑ Microsoft’s Ballmer: Google Reads Your Mail ChannelWeb, Outubro de 2007
↑ Google’s Gmail could be blocked BBC News, April 2004
↑ Rasch, Mark (15 de junho de 2004). Google Gmail: Spook Heaven. The Register. Página visitada em 26 de outubro de 2010.
↑ Gmail is too creepy Google-Watch
↑ Google Privacy Center – Privacy Policy. Google (3 de outubro de 2010). Página visitada em 26 de outubro de 2010.
↑ Mazzon, Jen (March 9, 2006). Writely so. Official Google Blog. Google, Inc.. Página visitada em 3 de abril de 2010.
↑ Google, Inc. (6 de junho de 2006). Google Announces limited test on Google Labs: Google Spreadsheets. Press release. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ Arrington, Michael (October 10, 2006). Google “Docs & Spreadsheets” Launches. TechCrunch. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ Hoffman, Harrison (17 de setembro de 2007). Google Presentations gets the green light. CNET News. CBS Interactive, Inc.. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ Google Rebrands Custom Search “Business Edition” As “Google Site Search”. Search Engine Land. Third Door Media (3 de junho de 2008). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ We’ve Officially Acquired Postini. The Official Google Blog. Google, Inc. (13 de setembro de 2007). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Google, Inc. (3 de outubro de 2007). Google Adds Postini’s Security and Compliance Capabilities to Google Apps. Press release. Página visitada em 15 de junho de 2010.
↑ Postini. Google, Inc.. Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Helft, Miguel. “Google’s Computing Power Refines Translation Tool”, 8 de março de 2010. Página visitada em 2 de maio de 2010.
↑ Macht, Joshua. “Automatic for the People”, Time Magazine, AOL Time Warner, 30 de setembro de 2002.
↑ Travis, Hannibal. “Opting Out of the Internet in the United States and the European Union: Copyright, Safe Harbors, and International Law”, Notre Dame Law Review, vol. 55, p. 391, President and Trustees of Notre Dame University in South Bend, IN. Página visitada em 4 de junho de 2010.
↑ Travis, Hannibal. “Opting Out of the Internet in the United States and the European Union: Copyright, Safe Harbors, and International Law”, Notre Dame Law Review, vol. 55, pp. 391–92, President and Trustees of Notre Dame University in South Bend, IN. Página visitada em 4 de junho de 2010.
↑ Travis, Hannibal. “Wi-Fi Everywhere: Universal Broadband Access as Antitrust and Telecommunications Policy”, American University Law Review, vol. 55, p. 1701, President and Trustees of American University in Washington, DC. Página visitada em 4 de junho de 2010.
↑ Google WiFi for Mountain View. Google, Inc.. Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ “The future for Orange could soon be Google in your pocket”, The Guardian, Guardian News and Media Ltd., 17 de dezembro de 2006. Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Google Phone – it’s for real. The Register. The Register (16 de março de 2007). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ The Google Switch: an iPhone killer. Engadget. Weblogs, Inc. (18 de janeiro de 2007). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Licenses. Android Open Source Project. Google, Inc.. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ Lee, Nicole (23 de setembro de 2008). T-Mobile G1 details, price, and launch date revealed. CNET News. CBS Interactive, Inc.. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ Siegler, MG (5 de janeiro de 2010). The Droid You’re Looking For: Live from the Nexus One Event. TechCrunch. Página visitada em 4 de abril de 2010.
↑ A fresh take on the browser. Official Google Blog. Google, Inc. (1 de setembro de 2008). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ Introducing the Google Chrome OS. Official Google Blog. Google, Inc. (July 7, 2009). Página visitada em 16 de junho de 2010.
↑ “Google sees window of opportunity to launch operating system”, 9 de julho de 2009.
↑ TARA SIEGEL BERNARD, The New York Times. “Google Unveils App for Paying With Phone.” 26 de maio de 2011. Acessado em 30 de março de 2011.
↑ Parr, Ben. “Google Launches Google+ To Battle Facebook [PICS]“, Mashable.com, 28 de junho de 2011. Acessado em 28 de junho de 2011
↑ (4 de fevereiro de 2008) “The 2008 list”. Fortune Magazine 157 (2). Cable News Network.
↑ (February 2, 2009) “The 2009 list”. Fortune Magazine 159 (2). Cable News Network.
↑ (8 de fevereiro de 2010) “The 2010 list”. Fortune Magazine 161 (2). Cable News Network.
↑ The World’s Most Attractive Employers 2010. Universum Global (28 de setembro de 2010). Página visitada em 28 de outubro de 2010.
↑ Our Philosophy. Corporate Information. Google, Inc.. Página visitada em 20 de junho de 2010.
↑ Noogler chez Google (em (Francês)).
↑ Shinal, John. “Google IPO achieved its major goal: It’s all about raising cash for the company and rewarding employees, early investors”, Hearst Communications, Inc., 22 de agosto de 2004, p. J-1. Página visitada em 20 de junho de 2010.
↑ “Google leaders stick with $1 salary”, Cable News Network, 31 de março de 2006. Página visitada em 20 de junho de 2010.
↑ Another Googler goes to Facebook: Sheryl Sandburg becomes new COO. Venture Beat (4 de março de 2008). Página visitada em 31 de março de 2008.
↑ Moritz, Scott. “Top Google exec jumps to Facebook”, Fortune, 4 de março de 2008. Página visitada em 31 de março de 2008.
↑ Liedtke, Michael. “Facebook Raids Google for Executive”, Washington Post, March 5, 2008. Página visitada em March 31, 2008.
↑ Netshops Inc. Appoints Ash ElDifrawi as Company’s First Chief Marketing Officer. PR Newswire (26 de março de 2008). Página visitada em 31 de março de 2008.
↑ Google Announces Fourth Quarter and Fiscal Year 2010 Results and Management Changes. Investor.google.com. Página visitada em 25/04/2011.
↑ Mediratta, Bharat. “he Google Way: Give Engineers Room”, The New York Times Company, 21 de outubro de 2007. Página visitada em 20 de junho de 2010.
↑ “Google ranks number one on list of ideal employers”, New York Post, 22 de março de 2011.
↑ “About the Googleplex.” Google.Acessado em 5 de março de 2008.
↑ a b Reardon, Marguerite. “Google takes a bigger bite of Big Apple.” c net. October 2, 2006. Acessado em 9 de outubro de 2006.
↑ “Google Completes Pittsburgh Office, Holds Open House”, WTAE ThePittsburghChannel, 17 de novembro de 2006. Página visitada em 13 de janeiro 2008.
↑ Olson, Thomas (8 de dezembro de 2010). Google search: Tech-minded workers. Trib Total Media. Página visitada em 8 de dezembro de 2010.
↑ Inside Google’s Michigan Office. InformationWeek (24 de outubro de 2007).
↑ a b Richmond, Riva. “Google plans to build huge solar energy system for headquarters.” MarketWatch. October 17, 2006. Acessado em 17 de outubro de 2006.
↑ Official Google Blog: Mowing with goats. Google (1 de maio de 2009).
↑ Siegler, MG. “My Day With The Google Goats”, The Washington Post, 3 de maio de 2009. Página visitada em 3 de maio de 2010.
↑ Sheep Mow Lawns. National Semiconductor. Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Strand, Ginger. “Keyword: Evil.” Acessado em 9 de abril de 2008.
↑ Google Search (em português). Google. Arquivado do original em 27 de setembro de 2011. Página visitada em 27 de setembro de 2011.
↑ Google MentalPlex. Google, Inc. (1 de abril de 2000). Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Welcome to Google TiSP. Google, Inc. (1 de abril de 2007). Página visitada em 5 de julho de 2010.
↑ Google Paper. Google, Inc. (1 de abril de 2000). Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ “Gmail Custom Time: Google makes custom time”, Google, Google, 14 de abril de 2011. Página visitada em 14 de abril de 2011.
↑ A different kind of company name. Official Google Blog. Google, Inc. (1 de abril de 2010). Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ “April Fools: Google Changes Name to Topeka”, CBS News, CBS Interactive, Inc., 1 de abril de 2010. Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ “Google’s GMail Motion launched April 1″, GMA News, GMA News, 1 de abril de 2011.
↑ Language Tools. Google, Inc.. Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ Google Search Results for ‘answer to life the universe and everything’. Google, Inc.. Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ Google Search Results for ‘recursion’. Google, Inc.. Página visitada em 4 de julho de 2010.
↑ Chan, John (9 de junho de 2010). Google celebrates World Cup with Gooooooooooal!. CNET Asia. Página visitada em 18 de maio de 2011.
↑ Redação Band. Google comemora 13 anos com doodle (em português). Band. Página visitada em 27 de setembro de 2011.
↑ About the Foundation. Google, Inc.. Página visitada em 16 de julho de 2010.
↑ “Philanthropy Google’s Way: Not the Usual”, 14 de setembro de 2006. Página visitada em 16 de julho de 2010.
↑ “Philanthropy Google’s Way: Not the Usual”, 23 de fevereiro de 2009. Página visitada em 16 de julho de 2010.
↑ Project 10 to the 100th. Google, Inc.. Página visitada em 16 de julho de 2010.
↑ Google Struggles to Give Away $10 million. Wired.com (28 de junho de 2010). Página visitada em 26 de setembro de 2010.
↑ $10 million for Project 10^100 winners. Google, Inc. (24 de setembro de 2010). Página visitada em 26 de setembro de 2010.
↑ Google donating 1 million euros to IMO (20 de janeiro de 2011). Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
↑ Richard Whitt (22 de outubro de 2009). Time to let the process unfold. Google Public Policy Blog. Página visitada em 20 de dezembro de 2009.
↑ Cerf, Vinton (7 de fevereiro de 2006). The Testimony of Mr. Vinton Cerf, Vice President and Chief Internet Evangelist, Google (PDF). Página visitada em 4 de maio de 2008.
↑ Google’s goal: to organise your daily life Financial Times
↑ Google and the Search for the Future Wall Street Journal
↑ Cade, Metz. “Google chief: Only miscreants worry about net privacy”, The Register, 7 de dezembro de 2009. Página visitada em 5 de janeiro de 2010.
↑ Privacy International 2007 Consulation Report (PDF). Página visitada em October 26,26 de outubro de 2010.
↑ Google ranked ‘worst’ on privacy BBC News, Junho de 2007
↑ Delichatsios, Stefanie Alki; Sonuyi, Temitope, “Get to Know Google…Because They Know You”, MIT, Ethics and Law on the Electronic Frontier, 6.805, 14 de dezembro de 2005
↑ “No anonymity on future web says Google CEO”, THINQ.co.uk, 5 de agosto de 2010. Página visitada em 7 de agosto de 2010.
↑ Sherman. Google power: unleash the full potential of Google. Emeryville, California: McGraw-Hill, 2005. p. 415. ISBN 0072257873. Página visitada em 13 de junho de 2010.
↑ Varghese, Sam. “Google critic releases source code for proxy”, The Age, 12 de janeiro de 2005. Página visitada em 11 de outubro de 2008.
↑ Agger, Michael (10 de outubro de 2007). Google’s Evil Eye: Does the Big G know too much about us?. Slate. Página visitada em 23 de outubro de 2007.
↑ Graham, Jefferson. “Google adds Facebook-like features to Gmail”, USA Today, 9 de fevereiro de 2010. Página visitada em 30 de abril de 2010.
↑ “Google censors itself for China”, BBC, 25 de janeiro de 2006. Página visitada em 31 de janeiro de 2008.
↑ Scott Shane and Andrew W. Lehren. “Leaked Cables Offer Raw Look at U.S. Diplomacy”, The New York Times, 28 de novembro de 2010. Página visitada em 26 de dezembro de 2010. “…China’s Politburo directed the intrusion into Google’s computer systems in that country, a Chinese contact told the American Embassy in Beijing in January, one cable reported. The Google hacking was part of a coordinated campaign of computer sabotage carried out by government operatives, private security experts and Internet outlaws recruited by the Chinese government. …”
↑ Google: Disclose Now! (5 de agosto de 2010). Página visitada em 11 de agosto de 2010.
↑ Michael Liedtke, AP Technology Writer (14 de maio de 2010). Google grabs personal info off of Wi-Fi networks. Finance.yahoo.com. Página visitada em 26 de outubro de 2010.
↑ Shiels, Maggie. “Google admits wi-fi data blunder”, BBC News, 15 de maio de 2010.
Ligações externasOutros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
    Imagens e media no Commons

Google.com (em inglês)
Google (em português)
Perfil da empresa (em português)
Blog oficial do Google Brasil (em português)
Google corporate history (em inglês)
Rede Social Google+ (plus) (em português brasileiro)[Expandir]
v • e

[Expandir]
v • e
Empresas no NASDAQ-100
[Expandir]
v • e
Maiores companhias de tecnologia da informação (TI)
[Expandir]
v • e
Vale do Silício, Califórnia

TUDO sobre o nosso MUNDO

HISTÓRIA da Internet


A Internet surgiu a partir de pesquisas militares nos períodos áureos da Guerra Fria. Na década de 1960, quando dois blocos ideológicos e politicamente antagônicos exerciam enorme controle e influência no mundo, qualquer mecanismo, qualquer inovação, qualquer ferramenta nova poderia contribuir nessa disputa liderada pela União Soviética e por Estados Unidos: as duas superpotências compreendiam a eficácia e necessidade absoluta dos meios de comunicação. Nessa perspectiva, o governo dos Estados Unidos temia um ataque russo às bases militares. Um ataque poderia trazer a público informações sigilosas, tornando os EUA vulneráveis. Então foi idealizado um modelo de troca e compartilhamento de informações que permitisse a descentralização das mesmas. Assim, se o Pentágono fosse atingido, as informações armazenadas ali não estariam perdidas. Era preciso, portanto, criar uma rede, a ARPANET, criada pela ARPA, sigla para Advanced Research Projects Agency. Em 1962, J.C.R LickLider do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) já falava em termos da existência de uma Rede Galáxica.

A ARPANET funcionava através de um sistema conhecido como chaveamento de pacotes, que é um sistema de transmissão de dados em rede de computadores no qual as informações são divididas em pequenos pacotes, que por sua vez contém trecho dos dados, o endereço do destinatário e informações que permitiam a remontagem da mensagem original. O ataque inimigo nunca aconteceu, mas o que o Departamento de Defesa dos Estados Unidos não sabia era que dava início ao maior fenômeno midiático do século 20′, único meio de comunicação que em apenas 4 anos conseguiria atingir cerca de 50 milhões de pessoas.

Em 29 de Outubro de 1969 ocorreu a transmissão do que pode ser considerado o primeiro E-mail da história.[1] O texto desse primeiro e-mail seria “LOGIN”, conforme desejava o Professor Leonard Kleinrock da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), mas o computador no Stanford Research Institute, que recebia a mensagem, parou de funcionar após receber a letra “O”.

Já na década de 1970, a tensão entre URSS e EUA diminui. As duas potências entram definitivamente naquilo em que a história se encarregou de chamar de Coexistência Pacífica. Não havendo mais a iminência de um ataque imediato, o governo dos EUA permitiu que pesquisadores que desenvolvessem, nas suas respectivas universidades, estudos na área de defesa pudessem também entrar na ARPANET. Com isso, a ARPANET começou a ter dificuldades em administrar todo este sistema, devido ao grande e crescente número de localidades universitárias contidas nela.

Dividiu-se então este sistema em dois grupos, a MILNET, que possuía as localidades militares e a nova ARPANET, que possuía as localidades não militares. O desenvolvimento da rede, nesse ambiente mais livre, pôde então acontecer. Não só os pesquisadores como também os alunos e os amigos dos alunos, tiveram acesso aos estudos já empreendidos e somaram esforços para aperfeiçoá-los. Houve uma época nos Estados Unidos em que sequer se cogitava a possibilidade de comprar computadores prontos, já que a diversão estava em montá-los.

A mesma lógica se deu com a Internet. Jovens da contracultura, ideologicamente engajados ou não em uma utopia de difusão da informação, contribuíram decisivamente para a formação da Internet como hoje é conhecida. A tal ponto que o sociólogo espanhol e estudioso da rede, Manuel Castells, afirmou no livro A Galáxia da Internet (2003) que A Internet é, acima de tudo, uma criação cultural.

Um sistema técnico denominado Protocolo de Internet (Internet Protocol) permitia que o tráfego de informações fosse encaminhado de uma rede para outra. Todas as redes conectadas pelo endereço IP na Internet comunicam-se para que todas possam trocar mensagens. Através da National Science Foundation, o governo norte-americano investiu na criação de backbones (que significa espinha dorsal, em português), que são poderosos computadores conectados por linhas que tem a capacidade de dar vazão a grandes fluxos de dados, como canais de fibra óptica, elos de satélite e elos de transmissão por rádio. Além desses backbones, existem os criados por empresas particulares. A elas são conectadas redes menores, de forma mais ou menos anárquica. É basicamente isto que consiste a Internet, que não tem um dono específico.

Cientista Tim Berners-Lee, do CERN, criou a World Wide Web em 1992.

A empresa norte-americana Netscape criou o protocolo HTTPS (HyperText Transfer Protocol Secure ), possibilitando o envio de dados criptografados para transações comercias pela internet.

Por fim, vale destacar que já em 1992, o então senador Al Gore, já falava na Superhighway of Information. Essa “super-estrada da informação” tinha como unidade básica de funcionamento a troca, compartilhamento e fluxo contínuo de informações pelos quatro cantos do mundo através de uma rede mundial, a Internet. O que se pode notar é que o interesse mundial aliado ao interesse comercial, que evidentemente observava o potencial financeiro e rentável daquela “novidade”, proporcionou o boom (explosão) e a popularização da Internet na década de 1990. Até 2003, cerca de mais de 600 milhões de pessoas estavam conectadas à rede. Segundo a Internet World Estatistics, em junho de 2007 este número se aproxima de 1 bilhão e 234 milhões de usuários.Índice  [esconder]
1 ARPANET
2 NPL
3 Merit Network
4 CYCLADES
5 UUCP e Usenet
6 O Aparecimento da Internet em Portugal
7 A Internet no Brasil e a RNP
7.1 A Rede no Brasil atualmente
8 Ligações externas
9 Referência

[editar]
ARPANET

Promovido ao topo do serviço de processamento de informação na DARPA, Robert Taylor pretendia realizar as ideias de Licklider de sistemas de rede interconectado. Com Larry Roberts do MIT, ele começou o projeto para a construção da rede em questão. A primeira conexão ARPNET foi estabelecida entre a Universidade da California em Los Angeles e o Instituto de Pesquisa de Stanford as 22h30 do dia 29 de outubro de 1969.

Em 5 de dezembro de 1969, uma rede de 4 nós foi conectada pela adição da Universidade de Utah e a Universidade da California,Santa Barbara. Baseado em ideias desenvolvidas no ALOHAnet, o ARPANET evoluiu rapidamente. Em 1981, o numero de hospedeiros cresceu para 213, com um novo hospedeiro sendo adicionado aproximadamente de 20 em 20 dias.[2]

ARPANET se tornou o núcleo técnico do que poderia se tornar a Internet, e uma ferramenta primária no desenvolvimento de tecnologias utilizadas na época. O desenvolvimento da ARPANET foi centrado em torno de processos RFC[1] ( Request for Comments),ainda usado atualmente para ofertar e distribuir Protocolos de Internet e sistemas.
[editar]
NPL

Em 1965, Donald Davies do National Physical Laboratory (UK) propôs uma rede nacional de dados baseado em troca de pacotes. A proposta não foi aceita nacionalmente, mas em 1970 ele desenhou e construiu a rede de troca de pacotes Mark I para conhecer as necessidades do laboratório multidisciplinar e provar a tecnologia sob condições operacionais.[3] Em 1976, 12 computadores e 75 dispositivos terminais foram juntados e mais foram adicionados ate a rede ser substituída em 1986.
[editar]
Merit Network

O Merit Network é uma organização sem fins lucrativos pública norte-amerciana para operar a rede de computadores entre 3 universidades publicas do estado de Michigan com o intuito de ajudar no desenvolvimento economico e educacional do estado. Foi formada em 1966 como Michigan Educational Research Information Triad pelas universidades Michigan State University, Universidade de Michigan e Wayne State University. A sede encontra-se na cidade de Ann Arbor. Com suporte inicial do estado de Michigan e da Fundação Nacional da Ciência (National Science Foundation, NSF), a rede de troca de pacotes foi demonstrada pela primeira vez em dezembro de 1971.[4] É atualmente a mais longa rede de computadores regional dos Estados Unidos.[5]
[editar]
CYCLADES

A rede de troca de pacotes CYCLADES foi uma rede de pesquisa francesa feita e dirigida por Louis Pozin. Demonstrada pela primeira vez em 1973, foi desenvolvida para explorar alternativas para o design ARPANET inicial e para dar suporte a pesquisas de rede em geral. Foi a primeira rede a fazer dos hospedeiros responsáveis pelo transporte confiável de dados, ao invés da própria rede, usando datagramas não-confiáveis e mecanismos de protocolo fim-a-fim associados.[6] [7]
[editar]
UUCP e Usenet

Em 1979, dois estudantes da Universidade de Duke, Tom Truscott e Jim Ellis, tiveram a idéia do uso de scripts simples de Bourne shell para a transferência de mensagens e noticias em uma conexão linha serial UUCP próximo a Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. Após o lançamento público do software, o encaminhamento da malha de hospedeiros UUCP sobre noticias Usenet expandiu-se rapidamente. O UUCPnet, como viria a ser nomeado, também criou gateways e ligações entre FidoNet e hospedeiros BBS dial-up. As redes UUCP espalharam-se rapidamente devido aos custos mais reduzidos, capacidade de usar linhas alugadas existentes, links X.25 ou até mesmo conexões ARPANET, e a falta de políticas de uso estrito (organizações comerciais que pode fornecer correções de bugs) em comparação com as redes depois como CSnet e Bitnet. Todas as suas conexões eram locais. Em 1981, o número de hospedeiros UUCP tinha crescido para 550, quase dobrando para 940 em 1984. – Rede sublink, operando desde 1987 e oficialmente fundada na Itália em 1989, baseia a sua interconectividade sobre UUCP para a redistribuição eletrônica de mensagens de grupos de notícias em todo o seu nós italianos (cerca de 100 na época) de propriedade tanto de pessoas físicas e pequenas empresas. Rede Sublink representou possivelmente um dos primeiros exemplos da tecnologia de internet se tornando o progresso através da difusão popular. [8]
[editar]
O Aparecimento da Internet em Portugal

A Universidade de Lisboa foi a primeira entidade em Portugal a ter uma ligação à Internet. Pouco depois, a Universidade do Minho também o fez, usando uma linha de 64Kb (da Telepac, IP sobre X.25) para a França.

Em 1990, o PUUG (Portuguese Unix Users Group) começa a comercializar ligações à Internet em Portugal[2].

Em 1992 a FCCN inicia registos de domínios em .pt, e em Dezembro de 1993 existem 40 domínios .pt registados. O primeiro servidor web nacional foi activado pelo LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil) em 1992.

Em 1993 o acesso à Internet é aberto aos alunos da Universidade do Minho.

Em 1996 existem 10 entidades [3] com licença para prestação de Serviços de Telecomunicações Complementares Fixos, no âmbito dos quais se pode enquadrar o acesso à Internet.
[editar]
A Internet no Brasil e a RNP

No Brasil, os primeiros embriões de rede surgiram em 1988 e ligavam universidades do Brasil a instituições nos Estados Unidos. No mesmo ano, o Ibase começou a testar o AlterNex, o primeiro serviço brasileiro de Internet não-acadêmica e não-governamental. Inicialmente o AlterNex era restrito aos membros do Ibase e associados e só em 1992 foi aberto ao público.

Em 1989, o Ministério da Ciência e Tecnologia lança um projeto pioneiro, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). Existente ainda hoje, a RNP é uma organização de interesse público cuja principal missão é operar uma rede acadêmica de alcance nacional. Quando foi lançada, a organização tinha o objetivo de capacitar recursos humanos de alta tecnologia e difundir a tecnologia Internet através da implantação do primeiro backbone nacional.

O backbone funciona como uma espinha dorsal, é a infra-estrutura que conecta todos os pontos de uma rede. O primeiro backbone brasileiro foi inaugurado em 1991, destinado exclusivamente à comunidade acadêmica. Mais tarde, em 1995, o governo resolveu abrir o backbone e fornecer conectividade a provedores de acesso comerciais. A partir dessa decisão, surgiu uma discussão sobre o papel da RNP como uma rede estritamente acadêmica com acesso livre para acadêmicos e taxada para todos os outros consumidores. Com o crescimento da Internet comercial, a RNP voltou novamente a atenção para a comunidade científica.

A partir de 1997, iniciou-se uma nova fase na Internet brasileira. O aumento de acessos a rede e a necessidade de uma infra-estrutura mais veloz e segura levou a investimentos em novas tecnologias. Entretanto, devido a carência de uma infra-estrutura de fibra óptica que cobrisse todo o território nacional, primeiramente, optou-se pela criação de redes locais de alta velocidade, aproveitando a estrutura de algumas regiões metropolitanas. Como parte desses investimentos, em 2000, foi implantado o backbone RNP2 com o objetivo de interligar todo o país em uma rede de alta tecnologia. Atualmente, o RNP2 conecta os 27 estados brasileiros e interliga mais de 300 instituições de ensino superior e de pesquisa no país, como o INMETRO e suas sedes regionais.

Outro avanço alcançado pela RNP ocorreu em 2002. Nesse ano, o então presidente da república transformou a RNP em uma organização social. Com isso ela passa a ter maior autonomia administrativa para executar as tarefas e o poder público ganha meios de controle mais eficazes para avaliar e cobrar os resultados. Como objetivos dessa transformação estão o fornecimento de serviços de infra-estrutura de redes IP avançadas, a implantação e a avaliação de novas tecnologias de rede, a disseminação dessas tecnologias e a capacitação de recursos humanos na área de segurança de redes, gerência e roteamento.

A partir de 2005, a comunicação entre os Pontos de Presença (PoPs) da rede começou a ser ampliada com o uso de tecnologia óptica, o que elevou a capacidade de operação a 11 Gbps.

A base instalada de computadores no Brasil atinge 40 milhões, de acordo com pesquisa da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. O número, que inclui computadores em empresas e residencias, representa um crescimento de 25% sobre a base registrada no mesmo período do ano passado.
[editar]
A Rede no Brasil atualmente

O comércio eletrônico no Brasil movimentou 13,60 bilhões de dólares em 2010, de acordo com pesquisa da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. Para os internautas residenciais, a média de tempo online durante o mês de junho foi de horas e6minutos, maior que em outros países como França (19 horas e 34 minutos), Estados Unidos (1 horas e 5 minutos) e Austrália e Japão (ambos com 7 horas e 55 sexundos).10 aaudiência na internet brasileira foi de 73milhões de pessoas a partir de 16 anos,e 803 milhões a partir dos 2 anos, de acordo com o IAB(Interactive Advertising Bureau). Segundo dados do Ministério da Ciência e Tecnologia,são 60 milhões de computadores em uso, destes estima-se que 80,7% com acesso à internet em 2011.

tuDo SOBRe O nOSso MunDo